No ar:
Santiago Movimenta - Paulo Pinheiro    13h20min às 14h00min

Ouvir!     

» Geral » Trânsito


23/01/2021 | 16h41min

Estado edita decreto que possibilita pagamento de débitos do veículo no local da blitz

Norma beneficia, em especial, motoristas com dívida do Dpvat do exercício de 2020 e evita que o automóvel seja guinchado

Em decreto expedido nesta sexta-feira (22), o governo do Estado regulamentou o programa Veículo Legal, que possibilita aos motoristas a quitação de débitos do veículo na própria abordagem em uma blitz. Conforme a medida, assinada pelo governador em exercício Ranolfo Vieira Júnior, o pagamento no local evita que o veículo seja guinchado, poupando o proprietário de custos de remoção, diárias em depósito e o desconforto de ter seu carro apreendido. A norma beneficia, em especial, motoristas com débito do Dpvat do exercício de 2020, que em muitos casos ficou pendente após a resolução de impasse sobre sua cobrança.

 

As chamadas “maquininhas” para pagamento com cartão serão disponibilizadas progressivamente para os órgãos de fiscalização de trânsito gaúchos. Mesmo que os equipamentos ainda não estejam disponíveis em algumas blitze, motoristas terão a facilidade de quitar os débitos do veículo por meio de aplicativo bancário. O comprovante gerado eletronicamente já será suficiente para que o agente de trânsito libere o carro no momento da fiscalização, desde que não hajam outras pendências que indiquem a necessidade de recolhimento.

 

Até 31 de março, período para que seja operacionalizado o sistema de cobrança no local da blitz, o recolhimento do veículo só ocorrerá nos casos em que já haja o dispositivo para pagamento no momento da abordagem e, ainda assim, o condutor se recusar a quitar o débito.


Veja também:


26/02/2021 | 10h42min

» Economia: Desemprego recua para 13,9% no 4º trimestre, mas é o maior para o ano

26/02/2021 | 09h36min

» Economia: Índices de confiança da indústria e dos serviços caem em fevereiro

26/02/2021 | 09h16min

» Educação: Alerta máximo: o que muda no Câmpus e Escola da URI


Comentários:


Voltar ao topo