No ar:
Olho Vivo - Jones Diniz    08h10min às 09h55min

Ouvir!     

» Vida / Estilo » Saúde


11/02/2024 | 10h03min

Melancia faz bem para a saúde?

Com propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, anticancerígenas, digestivas e anti-hipertensivas, a hortaliça deveria fazer parte da sua dieta

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Por ser rica em vitaminas C e A e fonte de cálcio, fósforo, magnésio, sódio e potássio, a melancia oferece uma série de benefícios à saúde humana. Suas propriedades anti-inflamatórias, anticancerígenas, digestivas e anti-hipertensivas chamam atenção e provam o sabor adocicado não é sua única qualidade.

 

Por também ser rica em antioxidantes, compostos que auxiliam na proteção células do corpo contra os danos causados ​​pelos radicais livres, o alimento é um dos indicados para prevenir doenças cardíacas, neurodegenerativos e câncer.

 

Ainda que o alimento in natura seja a versão mais saudável, por conter mais nutrientes, a melancia é extremamente versátil e pode ser apresentada de várias formas, desde sucos, bebidas alcoólicas até sobremesas e receitas salgadas — tudo isso oferecendo baixo teor calórico.

 

Uma curiosidade interessante sobre a melancia chama atenção. Ao contrário do que muitos pensam, ela não uma fruta, mas, sim, uma hortaliça, da mesma família do melão, do pepino, da moranga, da abóbora e do melão. Agora, conheça seus benefícios:

 

 Faz bem para pele e para o cabelo

As vitaminas e minerais essenciais presentes na melancia são importantes para manutenção da saúde dos fios e da pele. Enquanto a vitamina A auxilia a produção de sebo e a regeneração celular, a B6 desempenha um papel na saúde dos folículos capilares e o potássio trabalha para manter a hidratação adequada tanto para a cútis quanto para o cabelo.

 

Hidratação em dia!

Já reparou que, ao longo do dia, algumas gotículas de suor surgem na sua pele? Após realizar exercícios ou enfrentar altas temperaturas, a transpiração fica ainda mais nítida. Pois bem! O processo é natural do corpo humano: o organismo libera água para regular a temperatura corporal e, mais tarde, o líquido perdido é reposto através da ingestão de líquidos ou alimentos ricos em água, como um copo de suco ou um pedaço de melancia, por exemplo. A hidratação é fundamental para manter um corpo saudável com boa regulação da temperatura corporal e livre de infecções e toxinas. Além disso, esse cuidado garante o aspecto saudável da pele e dos cabelos.

 

Regulação do sistema nervoso

A nutricionista Laísa Ramos destaca que a melancia também é fonte de B6, vitamina responsável pela produção de neurotransmissores importantes para a regulação do humor, do sono, da memória e da função cognitiva humana, como a serotonina, dopamina e noradrenalina. “Por ser cofator de uma enzima, a vitamina B6, também chamada de piridoxina, auxilia na transformação do triptofano em serotonina, o hormônio neurotransmissor do prazer e do bem-estar”, explica.

 

Uma boa noite de sono

A melancia não possui propriedades relaxantes específicas, tampouco apresenta efeito sedativo direto, como alguns chás. No entanto, a hortaliça pode ser benéfica para a rotina noturna, visto que a serotonina produzida com a ajuda da vitamina B6 é transformada em melatonina, o hormônio do sono. Segundo a nutricionista, essa produção oferece melhor qualidade de sono e é responsável pela sensação de descanso e conforto necessário para o período noturno. Além disso, como uma rotina de hidratação adequada também pode gerar um efeito de relaxamento no corpo, é possível que a hortaliça ajude a aliviar fadiga e a sensação de cansaço.

 

 Comer melancia pode prevenir doenças?

Por ser rica em licopeno, pigmento responsável pela coloração avermelhada da hortaliça, a melancia possui propriedades antioxidantes. “Estes compostos auxiliam no equilíbrio oxidativo do organismo e também na não oxidação de colesterol ‘ruim’, o LDL”, esclarece a nutricionista. Em outras palavras, evitam a formação da placa de ateroma, ou seja, lipídeos e tecido fibroso, que podem aparecer na parede dos vasos sanguíneos, contribuindo, de certa forma, com a prevenção de doenças cardiovasculares. O Departamento de Agricultura norte-americano divulgou um estudo que indicava que o consumo regular de melancia é benéfico para homens e mulheres e previne a disfunção erétil, a hipertensão, melhora a sensibilidade à insulina e a degeneração macular.

 

Comer melancia ajuda no intestino?

Sim! A parte mais clara da melancia, próxima da casca, é rica em fibras que desempenham um papel importante na saúde intestinal, promovendo regularidade do movimento e prevenindo constipação. A fibra também pode agir como um probiótico, fornecendo alimento para as bactérias benéficas do intestino. Por fim, a hidratação fornecida pela hortaliça também é um forte aliado de quem sofre com intestino preso, mantendo as fezes macias e facilitando o movimento intestinal. Porém, lembre-se: apesar de fazer bem para o intestino, é importante lembrar que consumi-la em excesso pode resultar na produção de gases indesejados.

 

 Adeus, inchaço

Com mais 95% de água em sua composição, a ação diurética está entre as propriedades mais conhecidas da melancia. Seu consumo pode auxiliar no combate a retenção de líquidos, diminuindo a sensação de inchaço e aliviando dores em algumas regiões do corpo.

 

Sistema imunológico fortalecido!

Assim como a laranja, a melancia também é fonte de vitamina C. Para se ter uma ideia, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, uma única fatia possui mais de 25% da ingestão diária recomendada do nutriente, 7% do potássio, 4% do ferro e 2% do cálcio. Por isso, seu consumo é uma boa opção para deixar o sistema imunológico mais forte. Ou seja, no inverno, adicionar a hortaliça e outros alimentos da mesma categoria é uma ótima estratégia para diminuir os quadros de resfriado.

 

Hidratada e protegida

Talvez você não saiba, mas a melancia também pode ajustar a proteger a pele dos efeitos nocivos do sol. Isso acontece porque sua parte vermelha é rica em carotenoides antioxidantes, como o betacaroteno e o licopeno, que cooperam diretamente nessa proteção. Vale lembrar, porém, que a ingestão do alimento não substitui o uso do protetor solar com FPS 30, no mínimo, conforme orientação da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

 

 Baixo teor calórico

A Magali não é boba, viu? O alimento favorito da personagem da Turma da Mônica possui 6% de açúcar em sua composição e, por isso, costuma ter sabor adocicado. Mas não se assuste! De maneira geral, essa quantidade não afeta os níveis de açúcar no sangue. Na verdade, por possuir baixo teor calórico, a melancia se torna uma alternativa saudável para driblar a vontade do doce no dia a dia. “O consumo saudável vai depender do tamanho, altura e idade de cada pessoa. O alerta principal fica para os diabéticos, já que a ingestão exagerada pode aumentar a glicemia. Mas, de forma geral, um adulto de estatura e peso medianos pode comer duas fatias por vez”, ressaltou Laísa Ramos.

 

Visão de águia

A essa altura, é possível que você já esteja convencido de comer melancia na sua próxima refeição. Porém, acredite: ainda existem outros benefícios. Graças à vitamina A e aos antioxidantes da hortaliça, o alimento também se tornou um grande aliado no combate a doenças oculares, por exemplo, degeneração macular, catarata e cegueira noturna.

 

Como saber se a melancia está doce?

À primeira vista, pode parecer difícil encontrar a melancia perfeita no mercado, mas algumas estratégias podem facilitar o processo. Confira quais são elas:

— Observe a aparência externa da casca, prefira as verdes-escuras e brilhantes;

— As cascas devem estar firmes, lisas e sem rachaduras;

— Evite melancias com manchas moles ou amareladas;

— As mais pesadas costumam ser mais suculentas;

— Dê leves toques na casca. Se o som sair abafado, ela pode estar madura ou passada;


Veja também:


19/05/2024 | 12h55min

» : Hérnia de disco tem cura? Entenda a condição que afeta a coluna

17/05/2024 | 16h32min

» : Saúde define estratégia para vacinação em abrigos no Rio Grande do Sul

16/05/2024 | 10h24min

» : Rio Grande do Sul: como o trauma da catástrofe pode afetar as vítimas?


Comentários:


Voltar ao topo