No ar:
Baita Chão - Marco Antônio Nunes e Marcelo Peronio    15h00min às 16h00min

Ouvir!     

» Geral » Saúde


15/05/2020 | 16h35min

Teich não explica motivo para deixar o Ministério da Saúde, apenas diz que a vida é feita de escolhas

Nelson Teich . Foto: DivulgaçãoNelson Teich . Foto: Divulgação

O oncologista Nelson Teich agradeceu a sua equipe ao se despedir do Ministério da Saúde, cargo do qual ele pediu demissão nesta sexta-feira, menos de um mês depois de assumi-lo.

 

"A vida é feita de escolhas e hoje eu escolhei sair [...] Não é uma coisa simples estar a frente de um ministério como esse em um período tão difícil. Agradeço ao meu time que sempre esteve ao meu lado. É um trabalho de um grande time", disse o ministro.

 

Teich pediu demissão nesta sexta-feira após 27 dias no comando do Ministério da Saúde. Ele assumiu o cargo no lugar de Luiz Henrique Mandetta (DEM), que também deixou o cargo em meio a desentendimentos com o presidente Jair Bolsonaro.

 

As discordâncias entre Bolsonaro e Teich começaram quando o ex-ministro anunciou que a diretriz do governo para orientar estados e municípios em relação às medidas de distanciamento previa o bloqueio total, conhecido como "lockdown", medida que contraria o presidente, favorável à reabertura da economia.

 

O cenário piorou nos últimos dias depois que o presidente exigiu que o Ministério da Saúde alterasse um protocolo do governo para recomendar o uso de medicamentos à base de cloroquina a pacientes infectados pela Covid-19 desde os estágios iniciais da doença.

 

Bolsonaro é um defensor do uso do medicamento, apesar de não haver consenso na comunidade científica sobre os benefícios da droga no tratamento da doença. Ao contrário, há estudos que indicam que o uso do medicamento pode causar efeitos colaterais como arritmias cardíacas.

 

Apesar da insistência do presidente, Teich se mostrou contrário a uma recomendação de uso mais ampla para o medicamento. Atualmente, o protocolo do Ministério da Saúde é para que a droga só seja usada em pacientes considerados graves ou críticos.

 

Uma resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), no entanto, libera médicos a receitarem o medicamento em outras fases da doença, desde que os pacientes sejam previamente informados sobre os seus possíveis efeitos colaterais.


Veja também:


02/06/2020 | 10h25min

» Polícia: Hidroxicloroquina começa a ser contrabandeada no Brasil

02/06/2020 | 10h19min

» Tecnologia: Pesquisa indica maior consumo de vídeo e áudio online no Brasil

02/06/2020 | 10h07min

» Pesquisa: Estudantes de Agronomia da Uri Santiago aprovam artigo que fala sobre solo


Comentários:


Voltar ao topo