No ar:

Ouvir!     

» Geral » Política


23/05/2019 | 17h26min

Sérgio Moro lamenta transferência do Coaf para Ministério da Economia

O destaque da MP que previa a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça teve 210 votos favoráveis e 228 contrários

A votação da MP da reforma administrativa resultou na transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça para o Ministério da Economia. Insatisfeito com a decisão, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse que “lamentou o ocorrido”.

 

Por meio de uma rede social, o ex-juiz federal disse que o resultado da votação desta quarta-feira, na Câmara dos Deputados, “faz parte da democracia”. Moro também agradeceu aos parlamentares que apoiaram a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça e Segurança Pública.

 

Anteriormente, durante audiência pública na Câmara dos Deputados, o ministro Sérgio Moro havia declarado que a permanência do Coaf no Ministério da Justiça era 'estratégica' para combater à corrupção e lavagem de dinheiro.

 

O Coaf é uma unidade de inteligência financeira do governo federal que atua principalmente na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro (crime que consiste na prática de disfarçar dinheiro de origem ilícita).

 

O destaque da MP que previa a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça teve 210 votos favoráveis e 228 contrários. Depois da conclusão do trâmite na Câmara, o texto ainda precisa passar por votação no Senado, antes de ser enviado para sanção presidencial.

 

A medida provisória forma o pacote da chamada reforma administrativa. A matéria também manteve a diminuição no número de ministérios, que era de 29 no governo passado. Atualmente são 22 pastas.


Veja também:


19/09/2019 | 16h53min

» Agricultura: Prazo para entrega do Imposto Territorial Rural (ITR) termina no dia 30 de setembro

19/09/2019 | 16h44min

» Economia: Santiago é um dos primeiros do Brasil a implantar a Lei da Liberdade Econômica

19/09/2019 | 16h26min

» Segurança: Éxercito: Vip Day é realizado na Operação Guarani


Comentários:


Voltar ao topo