No ar:
Tá em casa - Ieda Beltrão    14h00min às 15h00min

Ouvir!     

» Geral » Justiça


22/08/2019 | 09h02min

PL que obriga agressor a ressarcir SUS está pronto para sanção presidencial

O texto também prevê que os bens da vítima de violência doméstica não podem ser usados pelo agressor para o pagamento dos custos

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na última terça-feira (20), um projeto de lei (PL 2438/19) que responsabiliza o agressor de violência doméstica a ressarcir o Sistema Único de Saúde, o SUS, pelos custos médicos e hospitalares de atendimento à vítima. Agora a proposta está pronta para sanção presidencial.

 

O projeto já tinha sido aprovado pela Câmara, mas sofreu alterações durante a votação no Senado Federal. Com isso, o texto precisou voltar para nova apreciação dos deputados, que rejeitaram as mudanças feitas pelos senadores.

 

A relatora do projeto, deputada Rose Modesto (PSDB-MS), explica nos casos como os de uso do abrigo pelas vítimas e de dispositivos de monitoramento, os custos serão também ressarcidos pelo agressor.

 

“A proposta tem o objetivo de expressar diretamente na Lei Maria da Penha a responsabilidade civil do agressor, no âmbito doméstico, em ressarcir todos os danos por ele causados, inclusive aqueles relacionados com os serviços de saúde prestados às vítimas e com o uso de dispositivo de segurança pelas vítimas para evitar novas agressões”, disse.

 

O dinheiro deverá ir para o fundo de saúde do ente federado responsável pelas unidades de saúde que prestarem os serviços.

 

O texto também prevê que os bens da vítima de violência doméstica não podem ser usados pelo agressor para o pagamento dos custos.


Veja também:


17/09/2019 | 11h54min

» Oportunidade: Estofador de móveis é uma das vagas do Sine de Santiago

17/09/2019 | 09h53min

» Internacional: Japão fabricará roupas a partir de garrafas de plástico recicladas

17/09/2019 | 09h20min

» Polícia: Drogas e armas estão entre os materiais apreendidos em ação conjunta da Brigada e Polícia Civil, em Jaguari


Comentários:


Voltar ao topo