No ar:
Jornada Esportiva - Rede Gaúcha Sat    14h00min às 18h00min

Ouvir!     

» Geral » Luto


10/07/2019 | 07h56min

Paulo Henrique Amorim morre aos 77 anos no Rio de Janeiro

Jornalista sofreu infarto fulminante na madrugada desta quarta-feira

 Paulo Henrique Amorim. Foto: Divulgação Paulo Henrique Amorim. Foto: Divulgação

Na madrugada desta quarta-feira, morreu aos 77 anos, Paulo Henrique Amorim. O jornalista morreu no Rio de Janeiro, quando sofreu um infarto fulminante. Ele trabalhava TV Record desde 2003. O último trabalho dele foi a apresentação do Domingo Espetacular até o final de junho. Na noite dessa terça-feira, o jornalista havia saído para jantar com amigos.

 

Paulo Henrique Amorim deixa um legado para o jornalismo brasileiro, uma vez que passou por diversos jornais, revistas e emissoras de televisão do país. Paulo Henrique estreou no jornal A Noite, em 1961. Depois foi trabalhar em Nova Iorque, nos Estados Unidos, como correspondente internacional da revista Realidade e, posteriormente, da revista Veja.

 

Na televisão, passou pela extinta TV Manchete e pela TV Globo, também como correspondente internacional em Nova Iorque. Em 1996, deixou a TV Globo e foi para a TV Bandeirantes, onde apresentou o Jornal da Band e o programa Fogo Cruzado. Depois, seguiu para a TV Cultura. 

 

Em 2003, foi contratado pela Record TV, onde apresentou o Jornal da Record segunda edição. No ano seguinte, ajudou a criar a revista eletrônica Tudo a Ver na emissora. Em 2006, assumiu a apresentação do Domingo Espetacular, onde ficou até junho deste ano. Atualmente ele escrevia no seu site Conversa Afiada. 

 

Amorim deixa uma filha e a mulher, a jornalista Geórgia Pinheiro.


Veja também:


21/09/2019 | 14h58min

» Oportunidade: Projeto Taifa inicia curso de corte e costura com palestra do empresário Osvaldo Nicola

21/09/2019 | 14h56min

» Saúde: Secretaria de Saúde implantará melhorias nos serviços de saúde mental

21/09/2019 | 14h54min

» Política: Deputados querem mudar Lei da Informática para atender demandas da Organização Mundial do Comércio


Comentários:


Voltar ao topo