No ar:

Ouvir!     

» Geral » Saúde


03/05/2019 | 15h30min

Pais devem ficar alertas aos sintomas da síndrome "mão-pé-boca", doença comum de inverno

A transmissão é muito fácil entre as crianças, devido ao contato entre elas no ambiente escolar

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

A Secretaria de Saúde de Santiago está divulgando material alertando os pais para ficarem atentos aos seus filhos em relação à síndrome mão-pé-boca. Trata-se de uma infecção viral contagiosa causada por um vírus, o  Coxsackie, que habita no intestino. Se caracteriza por feridas avermelhadas nos pés, mãos e na garganta da criança. 

 

Os principais sintomas são perda de apetite, dor de garganta, febre de até 39 graus, lesões nas mãos, pés e boca, além de mal-estar. A transmissão é muito fácil entre as crianças, devido ao contato entre elas no ambiente escolar.

 

A doença tem alguns sinais bem característicos: inicia-se com febre alta que é sucedida (cerca de dois ou três dias depois) por pequenas bolhas vermelhas com líquido que surgem na região das mãos, pés e boca — daí o nome.

As bolhas vão se rompendo à medida que a virose evolui. Os pais que notarem os sintomas, devem levar seus filhos até a unidade de saúde mais próxima. O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta. Pediatras afirmam que não é preciso se alarmar, pois a mão pé-boca é uma enfermidade que desaparece em até 10 dias. Mas é necessário estar sempre atento à higienização, especialmente das mãos das crianças.

 

Em Santiago, a Secretaria de Educação está atenta e mantendo as escolas de educação infantil sempre muito bem higienizadas para evitar a possibilidade de presença do vírus.


Veja também:


21/07/2019 | 13h40min

» Agricultura: Trigo tem plantio finalizado na maior parte das regiões do Rio Grande do Sul

21/07/2019 | 13h25min

» Trânsito: Infrações de ultrapassagem e de velocidade estão entre as principais ocorrências registradas pela PRF

21/07/2019 | 13h09min

» Saúde: Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares


Comentários:


Voltar ao topo