No ar:

Ouvir!     

» Geral » Clima


03/02/2019 | 16h03min

Onda de calor deve diminuir em fevereiro, prevê Inmet

Próximas semanas devem ser marcadas por temperaturas altas, mas dentro das médias históricas

Janeiro foi um mês de muito calor em Santiago e região. Foto: Ieda BeltrãoJaneiro foi um mês de muito calor em Santiago e região. Foto: Ieda Beltrão

As ondas de calor registradas neste verão devem arrefecer em fevereiro. A previsão é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

 

Segundo técnicos do órgão, os fatores que levaram à elevação da temperatura no mês passado, especialmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, perderão influência e as próximas semanas devem ser marcadas por temperaturas altas, mas dentro das médias históricas.

 

Calor

 

Em janeiro, as condições climáticas levaram os consumidores a bater recordes de uso de energia em quatro vezes dentro de duas semanas, segundo o Sistema Interligado Nacional (SIM) .

 

As altas temperaturas também foram percebidas por impactos na economia, como no aumento do consumo de bebidas.

 

Pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) revela que a aposta de vendas para o verão, no setor de bebidas, é de aumento de 12,9% para a cerveja. Em seguida, aparecem refrigerantes, com crescimento das vendas no período de 12,7%, acompanhada por água mineral, com 12,6%; chá líquido (12,4 %); espumante (11,9%); suco (10,9%); e água de coco (10%).

 

A pesquisa foi realizada entre os dias 4 de setembro e 5 de outubro de 2018, com participação de 102 empresas de todo o país. Para o verão de 2019, 48% dos supermercadistas apostam em estabilidade nas vendas, enquanto 45% projetam vendas maiores e 7% preveem queda.

 

Notícia falsa

As temperaturas elevadas foram aproveitadas para a disseminação de desinformação. Mensagens circularam alegando que em fevereiro haveria uma forte onda de calor. Com base nas previsões do órgão de amenização das sensações térmicas, o Instituto Nacional de Meteorologia divulgou uma nota esclarecendo que esses conteúdos não têm base.

 

Segundo o órgão, o texto veiculado recentemente nas redes sociais “não possui qualquer fundamento técnico/científico e nenhuma base de estudo ou pesquisa climatológica ou de previsão climática”.

 


Veja também:


21/07/2019 | 13h40min

» Agricultura: Trigo tem plantio finalizado na maior parte das regiões do Rio Grande do Sul

21/07/2019 | 13h25min

» Trânsito: Infrações de ultrapassagem e de velocidade estão entre as principais ocorrências registradas pela PRF

21/07/2019 | 13h09min

» Saúde: Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares


Comentários:


Voltar ao topo