No ar:

Ouvir!     

» Geral » Eleições 2020


06/11/2020 | 16h23min

Na 44ª zona eleitoral serão 79 locais de votação e 171 sessões eleitorais

Estão envolvidas na eleição 729 pessoas, incluindo mesários e administradores de prédio

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

Na 44ª zona eleitoral  serão 79 locais de votação e 171 sessões eleitorais que ficarão a disposição no dia 15 de novembro, quando acontece o primeiro turno das eleições municipais.

 

De acordo com o chefe do cartório eleitoral, Gidião Damian,  Unistalda terá 06 locais e 10 sessões para  2.599 eleitores;  Capão do Cipó  10 locais de votação,  13 sessões e 2.792 eleitores;  em Itacurubi – 09 locais de votação ,  12 sessões eleitorais e 2.653 eleitores e em Santiago são  54 locais de votação, 136 sessões e  40.316 eleitores.  Estão envolvidas na eleição  729 pessoas, incluindo mesários e administradores de prédio, todos orientados a cumprirem às normas de prevenção e combate à covid-19.

 

E segundo o Tribunal Superior Eleitoral as Eleições Municipais de 2020 terão mudança na forma de divulgação dos votos dados a candidatos sub judice, aqueles que ainda aguardam uma resposta definitiva da Justiça sobre a validade da candidatura.

 

Até 2018, a divulgação dos resultados incluía apenas os votos dados a candidatos deferidos, ainda que houvesse algum recurso pendente sobre a situação deles. No caso de candidatos indeferidos, que ainda tinham algum recurso pendente, a votação não aparecia no resultado, ainda que fosse possível ver a votação em separado. Isso gerava dúvidas para os eleitores que haviam escolhido aquele candidato.

 

A partir deste ano, a divulgação incluirá também os votos nos candidatos indeferidos com recurso, cuja situação ainda pode ser alterada. Esses votos são chamados de “anulados sub judice”. Embora a votação seja visualizada junto com a dos demais candidatos, haverá uma marcação deixando claro que os votos do candidato ainda não são considerados válidos.
 

Os objetivos da mudança foram a maior transparência a todos os votos dados pelos eleitores a candidatos, o prestígio à vontade do eleitor que foi às urnas e a igualdade entre os candidatos que ainda aguardam uma decisão favorável. A novidade também facilita futuras pesquisas nos bancos de dados da Justiça Eleitoral, atendendo a pleito antigo da comunidade acadêmica.

 

É preciso ressaltar que os votos dos candidatos indeferidos sub judice não são contabilizados no resultado geral, o que somente mudará se ele tiver êxito no recurso.  Mas, com a nova forma de divulgação, o eleitor poderá saber quantos votos recebeu o candidato e qual percentual dos votos totais está sujeita a alteração.
 

Quanto aos votos em candidato cujo registro já estava indeferido definitivamente no dia da votação, eles são anulados e não são contabilizados para qualquer finalidade. O mesmo acontece quando o eleitor vota branco ou nulo por vontade própria. Esses votos não são considerados para nenhum fim e assim permanecerão.

 

 Também há uma diferenciação em relação aos candidatos majoritários (prefeitos) e proporcionais (vereadores). No caso de candidatos a prefeito, eles podem, inclusive, passar para o segundo turno (se for o caso), se estiverem indeferidos com recurso. Mas se for o mais votado, não pode ser diplomado e nem empossado até o fim do processo. E se, ao final, a candidatura cair e ele tiver sido o mais votado, pode ocorrer nova eleição.

 


Veja também:


01/12/2020 | 17h59min

» Pandemia: Anvisa inicia inspeção de fabricação de vacinas na China

01/12/2020 | 17h50min

» Segurança: Polícia: Brigada Militar lança Operação Avante Papai Noel

01/12/2020 | 16h14min

» Pandemia: Melhor estruturado, centro de triagem Covid passa a funcionar na capela do hospital


Comentários:


Voltar ao topo