No ar:
Jornada Esportiva - Rede Gaúcha Sat    18h00min às 20h00min

Ouvir!     

» Geral » Literatura


15/04/2020 | 15h13min

Morre aos 94 anos o escritor Rubem Fonseca

De acordo com a coluna de Lauro Jardim, ele sofreu um infarto na hora do almoço

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Morreu nesta quarta-feira (15), aos 94 anos, no Rio de Janeiro, o escritor Rubem Fonseca. De acordo com a coluna de Lauro Jardim, ele sofreu um infarto na hora do almoço. Levado às pressas para o Hospital Samaritano, em Botafogo, ele não resistiu.

 

Autor de alguns dos livros mais emblemáticos da literatura brasileira , como "Agosto" e "A coleira do cão", ele completaria 95 anos em maio.

 

A partir dos anos 1960, Fonseca se consolidou como uma observador da violência urbana e da miséria humana. Sua estreia, a coletânea de contos “Os prisioneiros” (1963), foi saudada como “revelação do ano” pelo “Jornal do Brasil”, inaugurando o que o crítico Alfredo Bosi chamaria de corrente “brutalista”. O autor reinventou a narrativa policial, colocando os efeitos das rápidas e brutais transformações das grandes metrópoles brasileiras no centro de seus livros.

 

Em 1975, lançou "Feliz ano novo", um best-seller instantâneo que chegou a ser proibido pela ditadura militar. Reconhecido como um dos melhores contistas da história da literatura brasileira, Fonseca também deixou romances marcantes. O romance histórico "Agosto" (1990, que tem o suicídio de Getúlio Vargas como pano de fundo, e um dos seus maiores sucessos.

 

O autor não falava com jornalistas ha mais de 50 anos. Muito antes do isolamento social causado pelo surto do Covid-19, a reclusão de Fonseca se tornou folclórica na cena literária e também na cultura popular.


Veja também:


06/06/2020 | 15h08min

» Saúde: Ministério da Economia lista medicamentos criteriosos para o combate à Covid-19

06/06/2020 | 15h05min

» Economia: Poupança tem melhor resultado da história impulsionada por auxílio

06/06/2020 | 15h03min

» Internacional: Pandemia causa quase 400 mil mortes em todo o mundo


Comentários:


Voltar ao topo