No ar:
Santiago Movimenta - Paulo Pinheiro    13h20min às 14h00min

Ouvir!     

» Geral » Saúde


16/04/2020 | 16h39min

Mandetta é demitido do Ministério da Saúde por Bolsonaro

A demissão ocorre depois de semanas de desentendimentos públicos entre os dois sobre a maneira de lidar com a pandemia do novo coronavírus

Mandetta agradece. Foto: DivulgaçãoMandetta agradece. Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta quinta-feira a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde. A demissão ocorre depois de semanas de desentendimentos públicos entre os dois sobre a maneira de lidar com a pandemia do novo coronavírus. No Twitter, Mandetta postou a seguinte mensagem:



"Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar. Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país."

 

Bolsonaro já havia tomado a decisão de demitir Mandetta no último dia 6, conforme revelou o GLOBO, mas foi convencido a voltar atrás. Depois disso, os dois tiveram uma conversa a sós, e o presidente chegou a dizer que estava "tudo acertado". Entretanto, uma entrevista ao Fantástico, da TV Globo, no último domingo, reduziu o apoio que Mandetta tinha de outros ministros. Na entrevista, Mandetta defendeu uma unificação do discurso no combate ao coronavírus.

 

A primeira vez que Bolsonaro demonstrou publicamente seu descontentamento com Mandetta foi no dia 2 de abril, quando admitiu que os dois estavam "se bicando há algum tempo" e disse que faltava "humildade" ao seu subordinado. Apesar de ressaltar que nenhum ministro é "indemissível", o presidente disse que não pretendia exonerar Mandetta "no meio da guerra". Dias depois, Bolsonaro afirmou, sem citar nomes, que "algumas pessoas" do seu governo "de repente viraram estrelas e falam pelos cotovelos" e que ele não teria medo nem "pavor" de usar a caneta contra eles.

 

Mandetta adotou como discurso que "médico não abandona paciente" e que continuaria no cargo enquanto Bolsonaro permitisse. Na terça-feira, negou que estivesse "forçando sua demissão".


Veja também:


01/06/2020 | 10h51min

» Economia: Saque-aniversário do FGTS é liberado a nascidos em maio e junho

01/06/2020 | 10h47min

» Violência: Central de Atendimento à Mulher registrou mais de 1,3 milhão de chamadas em 2019

01/06/2020 | 10h46min

» Saúde: Brasil já aplicou R$ 113 bi no combate à crise do coronavírus. O maior gasto foi com o Auxílio Emergencial


Comentários:


Voltar ao topo