No ar:
Terra Nativa - Luiz Fernando Rocha    07h00min às 08h00min

Ouvir!     

» Geral » Caso Bernardo


15/03/2019 | 19h51min

Leandro, Graciele, Edelvânia e Evandro recebem pena máxima pela morte de Bernardo

Foram cinco dias de julgamento em Três Passos

A  justiça proferiu a sentença. Foto: ReproduçãoA justiça proferiu a sentença. Foto: Reprodução

Na noite desta sexta-feira, 15 de março saiu a sentença de um dos casos que comoveu o país: a morte do menino Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, há quase cinco anos.

 

Após, uma semana de julgamento, a justiça proferiu a sentença: Leandro Boldrini, pai de Bernardo; Graciele Ugulini, a madrasta; a assistente social Edelvânia Wirganovicz e seu irmão Evandro foram condenados pelo Conselho de Sentença.

 

Leandro Boldrini, foi condenado a 33 anos e oito meses de prisão em regime fechado. Em razão do tempo já cumprido de prisão desde 2014, restam oito anos de prisão a serem cumpridos pelo pai de Bernardo. Sendo 30 anos e 8 meses por homicídio, 2 anos por ocultação de cadáver e 1 ano por falsidade ideológica. A juíza citou a existência de personalidade dissonante, perversidade e a premeditação do crime.

 

Graciele Ugulini, foi condenada a 34 anos e sete meses de reclusão, em regime fechado.  Em razão do período já cumprido (prisão preventiva), a madrasta de Bernardo ainda irá cumprir um tempo superior a 8 anos. Foi relatada a frieza emocional, insensibilidade e dissimulação da madrasta de Bernardo e a confissão da ocultação de cadáver.

 

Edelvânia Wirganovicz foi sentenciada a 23 anos e 14 dias de prisão, em regime fechado. Destes, 21 anos e 4 meses pelo homicídio e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver. Também presa desde 2014, a assistente social cumprirá mais de 8 anos de prisão.

 

Evandro Wirganovicz foi condenado a nove anos e seis meses de prisão. Como ele já cumpriu parte da pena, a juíza determinou que o restante da pena será em regime semiaberto.

 

Cada um dos sete jurados respondeu a nove quesitos para cada um dos réus. A sentença foi lida pela juíza Sucilene Engler Werle. Sob clima tenso todos ouviram atentamente a leitura. Do lado de fora, um grande número de pessoas aguardava o resultado do julgamento.

 

O caso

Desaparecido em 4 de abril de 2014 em Três Passos, Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, foi encontrado morto dez dias depois no interior de Frederico Westphalen, a cerca de 80 quilômetros de distância. O corpo estava dentro de um saco plástico, enterrado em um matagal às margens de um riacho. No dia seguinte, a Polícia prendeu Graciele, Boldrini e Edelvânia. Evandro foi preso em maio, após investigações que apontaram que ele ajudou a fazer a cova.

 

A causa da morte do menino teria sido a superdosagem do Midazolam, medicamento presente no estômago, no rim e no fígado da vítima, de acordo com laudos periciais.

 

Graciele Ugulini chora ao falar sobre relação com Bernardo durante interrogatório no julgamento — Foto: Reprodução/TJ-RS


Veja também:


23/05/2019 | 17h27min

» Cidadania: Cras do bairro Missões festeja 10 anos em Santiago

23/05/2019 | 17h26min

» Política: Sério Moro lamenta transferência do Coaf para Ministério da Economia

23/05/2019 | 17h16min

» Serviço: Dos 39.718 eleitores de Santiago, faltam ainda 15.445, sem Biometria


Comentários:


Voltar ao topo