No ar:

Ouvir!     

» Geral » Saúde


19/11/2018 | 17h38min

Hospitais precisam fazer malabarismos para conseguir pagar as contas

Observação é do administrador do Hospital de Caridade de Santiago, Ruderson Mesquita

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

Os hospitais continuam enfrentando crise de recursos e operando com tabela do SUS bastante desfasada, além de enfrentar atrasos nos repasses pelo Sistema Único de Saúde.

 

 A observação é do administrador do hospital de caridade de Santiago, Ruderson Mesquita.

 

Alerta que a crise do Estado pegou de cheio os hospitais que estão pagando preço muito alto. Salienta que além de o hospital não ter nenhum reajuste perdeu alguns incentivos, como por exemplo, R$ 150 mil/mês nos últimos quatros anos. Mesquita salienta que é preciso muito malabarismo para conseguir quase 80%  do SUS e pagar as contas.

 

O administrador do HCS observou que o SUS deixa por mês em torno de  R$ 600 mil a R$ 700 mil de prejuízos, valores considerados significativos.

 

 Por isso o hospital precisa de alternativas, como o Cartão Pronto Saúde, realização de exames no Centro de diagnóstico do hospital para que o mesmo continue suportando o atendimento pelo Sistema Único de Saúde.

 

Enfatiza que a comunidade não tem culpa de irresponsabilidades dos governos, da falta de capacidade e gestão.

 

Garantiu que o hospital está se utilizando de todas as formas para que isso não atinja a população e garanta a qualidade dos serviços.

 

O Hospital de Santiago, mesmo diante de toda a crise tem se mantido, inclusive ampliando atendimento pelo SUS. “ Mas é preciso muito trabalho em equipe, gestão e apoio da comunidade local e regional para conseguir manter a casa de pé”, conclui  Ruderson.


Veja também:


21/05/2019 | 17h22min

» Educação: Acadêmicas do curso de Pedagogia da Uri, tiveram artigos publicados em livro

21/05/2019 | 17h09min

» Educação: A escola São José se propôs a um desafio: mudar o mundo

21/05/2019 | 17h04min

» Cidade: Santiago recebe veículos para renovar a frota e melhorar serviços nas secretarias


Comentários:


Voltar ao topo