No ar:
Plantão Gaúcha - Rede Gaúcha Sat    00h00min às 04h59min

Ouvir!     

» Geral » Polícia


05/04/2024 | 16h18min

Furtos e drogas lideraram as ocorrências de crimes consumados em Santiago

Com zero registro estão as ocorrências de vítimas de latrocínio e de lesão corporal seguida de morte; homicídio doloso e latrocínio

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

Furtos e drogas lideraram as ocorrências de crimes consumados na cidade de Santiago durante o mês de março de 2024. Foram 44 furtos registrados (22 a mais que em fevereiro); 17 ocorrências de entorpecente e posse (13 a mais) e 12 de entorpecente e tráfico ( 7 a mais em relação ao mês passado). Na sequência o registro de 05 ocorrências de estelionato ( menos 3),  03 abigeatos e 03 de delitos relacionados a armas e munições e 02 furtos de veículo e 02 roubos. Com zero registro estão as ocorrências de vítimas de latrocínio e de lesão corporal seguida de morte; homicídio doloso e latrocínio.

 

O acompanhamento diário das ocorrências para traçar estratégias de combate ao crime resultou em uma queda histórica dos homicídios em março em todo o RS. Em comparação com o mesmo período de 2023, a queda foi de 40%, passando de 172 casos para 103. É o segundo mês consecutivo em que o Estado apresenta queda de homicídios. 

 

O titular da Secretaria da Segurança Pública, secretário Sandro Caron, reforça o compromisso das instituições vinculadas à pasta para reduzir cada vez mais os indicadores de criminalidade. As ações integradas entre a Brigada Militar e a Polícia Civil têm sido essenciais para a queda dos crimes no Estado.  O secretário estacou o trabalho de cada homem e mulher da segurança pública para os resultados reafirmando  apertar ainda mais o cerco contra o crime organizado para ampliar a redução.


Veja também:


26/05/2024 | 13h39min

» : PRF prende traficantes com skunk e haxixe em carro com donativos

26/05/2024 | 13h24min

» : Número de mortes causadas pelas chuvas no RS sobe para 169

26/05/2024 | 13h20min

» : STF prorroga cotas raciais em concursos até Congresso votar nova lei


Comentários:


Voltar ao topo