No ar:
Correspondente Ipiranga - Rede Gaúcha Sat    12h50min às 13h00min

Ouvir!     

» Geral » Economia


30/07/2021 | 10h24min

Desemprego fica estável em maio e ainda atinge 14,8 milhões no Brasil, diz IBGE

Desocupação de 14,6% é a segunda maior dos últimos 11 anos, atrás apenas da registrada em março e abril

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

O desemprego no Brasil interrompeu a sequência de duas altas seguidas e fechou o trimestre encerado em maio em 14,6%. O valor é 0,2 ponto percentual inferior ao registrados nos três meses anteriores e equivale a 14,8 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho.

 

Os dados divulgados nesta sexta-feira (30), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) correspondem à segunda maior taxa de desocupados da série histórica, iniciada em 2012, atrás apenas do recorde de 14,7% registrado nos dois trimestres imediatamente anteriores, fechados em março e abril. 

 

Conforme os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), a população na força de trabalho, que inclui as pessoas ocupadas e desocupadas, cresceu 1,2 milhão, puxada pelo contingente de ocupados (86,7 milhões), que ganhou 809 mil profissionais no período na comparação com o trimestre anterior.

 

Para Adriana Beringuy, analista responsável pela pesquisa, a expansão da ocupação reflete o avanço de 3% dos profissionais que atuam por conta própria, única categoria profissional que cresceu no período. “Esses trabalhadores estão sendo absorvidos por atividades dos segmentos de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que cresceu 3,9%, o único avanço entre as atividades no trimestre até maio”, explica ela.


Veja também:


28/09/2021 | 10h43min

» JÁ TROCOU SUAS NOTAS?: Ação Premiada sorteará notebook no dia 4 de outubro

28/09/2021 | 10h18min

» Solidariedade: Encontro e passeio de motociclistas rendeu mais de 500 quilos de alimentos

28/09/2021 | 10h15min

» Saúde: Vacina contra a covid-19 chega para adolescentes de 15 anos, nesta quarta


Comentários:


Voltar ao topo