No ar:

Ouvir!     

» Geral » Educação


28/06/2019 | 21h32min

Cultivo de ervas medicinais em "relógio de chás" estimula alunos da Heron Ribeiro

Quinze alunos estão envolvidos nesse projeto que tem dado o que falar

Conhecimento e criatividade dos alunos da Heron . Foto: DivulgaçãoConhecimento e criatividade dos alunos da Heron . Foto: Divulgação

Ervas como arnica, cânfora, sálvia, tomilho, cavalinha, malva, funcho e muitas outras eram cultivadas e utilizadas para se fazer chás. Resgatar o conhecimento antigo sobre o poder curativo das plantas foi uma proposta abraçada pela professora Lisiane Aguirre, da escola municipal Heron Jornada Ribeiro, que atende 224 alunos, localizada entre os bairros Ana Bonato e Monsenhor Assis.

 

As aulas envolvem 15 alunos de uma turma multisseriada do programa de aceleração na distorção idade/serie (Padis). E o resultado tem sido muito positivo, pois os adolescentes não só ajudam no cultivo e nos cuidados, mas também pesquisam e aplicam em casa o que descobrem na horta.

 

"Já aprendi sobre chás para dor de barriga, ânsia de vômito e outros. Fiz até chá de marcela em casa", afirma o aluno José Carlos da Silva Ribeiro.

 

Conforme a professora Lisiane, o relógio de chás buscou inspiração na medicina chinesa, considerando o horário mais indicado para o consumo de cada tipo de erva. Dependendo da hora, a sua eficácia é potencializada para o bem do organismo.

 

"Esse projeto foi uma proposta da coordenação da escola. E eu fui estudar mais sobre as plantas, inclusive com a colaboração da paróquia. A experiência está sendo ótima. Estamos conseguindo progredir no entendimento natural das plantas medicinais e os alunos estão aprendendo muito", considera a professora.


Veja também:


10/07/2020 | 17h53min

» Polícia: PRF apreende mercadorias estrangeiras ilegais em São Borja

10/07/2020 | 17h50min

» : Brigada Militar prende homem por descumprimento de medida protetiva em Santiago

10/07/2020 | 16h18min

» Trânsito: Veículo sai da pista e bate em árvore na BR 287, em Jaguari


Comentários:


Voltar ao topo