No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!     

» Geral » Pesquisa


21/08/2020 | 10h45min

Café, arroz e feijão continuam preferidos pelos brasileiros

É o que mostra a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018

O sempre bem vindo arroz e feijão. Foto: DivulgaçãoO sempre bem vindo arroz e feijão. Foto: Divulgação

O café foi o alimento consumido pelos brasileiros com mais frequência (78,1% da população) entre junho de 2017 e julho de 2018, tanto por homens (77,9%), quanto por mulheres (78,4%). Em seguida, aparecem dois produtos da dieta tradicional do país. Um deles é o arroz, com 76,1% de frequência de consumo, acompanhado pelo feijão, com total de 60%. O alimento menos consumido com frequência pelos brasileiros no período pesquisado foi o ovo, com total de 13,9%.

 

As informações constam da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil (POF 2017/2018), divulgada hoje (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo foi realizado em parceria com o Ministério da Saúde.

 

Foram ouvidos no estudo 46.164 moradores de 20.112 domicílios com 10 anos ou mais de idade, que informaram o consumo alimentar para dois dias. A análise evidencia que arroz, feijão e café foram os alimentos mais consumidos por adolescentes e adultos, embora mostrando redução em relação ao primeiro levantamento, em 2008/2009. O feijão caiu de 72,8% para 60% da população e o arroz, de 84% para 76,1%. Entre os idosos, o consumo de café subiu na mesma comparação, de 86,6% para 87,1%. A queda do consumo de arroz foi observada no Sudeste, Sul e Centro-Oeste e foi mais acentuada entre a parcela da população (25%) com maior renda, passando de 79,9% para 67,1%.


Veja também:


24/09/2020 | 17h11min

» Saúde: Doações de órgãos caíram 40% com pandemia

24/09/2020 | 17h08min

» Pandemia: Justiça derruba liminar e obriga peritos do INSS a voltar ao trabalho

24/09/2020 | 17h05min

» Economia: Pedidos de seguro-desemprego caem 9,3% na primeira metade de setembro


Comentários:


Voltar ao topo