No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!     

» Geral » Política


12/06/2020 | 17h25min

Bolsonaro revoga MP sobre escolha de reitores na pandemia

Ato foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União

O presidente Jair Bolsonaro revogou nesta sexta (12) a Medida Provisória (MP) 979/2020, que dava ao ministro da Educação a prerrogativa de designar reitores e vice-reitores temporários das instituições federais de ensino durante a pandemia de covid-19. A MP 981/2020, que revoga a MP anterior, foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

 

Mais cedo, o presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, já havia anunciado a devolução da medida ao Palácio do Planalto, argumentando que o texto viola os princípios constitucionais da autonomia e da gestão democrática das universidades. Na prática, a decisão de Alcolumbre fez com que a MP 979/2020 perdesse a validade.

 

O texto da MP já estava em vigor, mas ainda precisava ser aprovado pelo Congresso para não perder a validade. Conforme o texto, o ministro da Educação não precisaria fazer consulta à comunidade acadêmica ou à lista tríplice para escolha dos reitores.

 

Segundo a MP, a escolha valeria para o caso de término de mandato dos atuais dirigentes durante o período da pandemia e não se aplicava às instituições federais de ensino “cujo processo de consulta à comunidade acadêmica para a escolha dos dirigentes tenha sido concluído antes da suspensão das aulas presenciais”.

 

Por meio de nota divulgada na quarta-feira (10), após a edição da MP 979/2020, o Ministério da Educação (MEC) afirmou que o texto não feria a autonomia de universidades e institutos federais.


Veja também:


09/07/2020 | 17h03min

» Educação: Acadêmicos de Arquitetura e Urbanismo defendem de maneira online as suas Monografias de ITFG

09/07/2020 | 11h07min

» Pandemia: Três novos casos de covid-19 são confirmados em Santiago, nesta quinta

09/07/2020 | 10h17min

» Segurança: Homicídios no RS caem 21,9% em junho e fecham semestre abaixo de mil pelo segundo ano seguido


Comentários:


Voltar ao topo