No ar:
Amanhecer nos Pampas - Luiz Fernando Rocha    05h30min às 06h30min

Ouvir!     

» Geral » Tráfico


05/10/2020 | 10h15min

Apreensão de três toneladas de maconha é a maior da PRF neste ano no Rio Grande do Sul

Droga estava escondida sob grãos de milho em um carreta abordada na BR 386, em Lajeado

Motorista do caminhão, um paranaense com antecedentes por tráfico, foi preso | Foto: PRF / DivulgaçãoMotorista do caminhão, um paranaense com antecedentes por tráfico, foi preso | Foto: PRF / Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal confirmou que a apreensão de cerca de três toneladas de maconha neste domingo é a maior deset tipo de droga deste ano no Rio Grande do Sul. O carregamento do entorpecente, avaliado em torno de R$ 3 milhões, estava sendo transportado escondido sob grãos de milho em uma carreta, com placas do Paraná, que foi abordada na BR 386 em Lajeado. O motorista foi preso em flagrante.

 

O efetivo da PRF descobriu as três toneladas de maconha durante a vistoria no caminhão. A quantidade seria suficiente para a produção de mais de 6 milhões de cigarrinhos. Conforme os policiais rodoviários federais, o condutor, um paranaense de 38 anos, já possui antecedentes criminais por tráfico de drogas. Ele confessou que levaria o entorpecente até a Região Metropolitana de Porto Alegre. 

 

A abordagem ocorreu após o recebimento de informações do serviço de inteligência da instituição. A ocorrência foi repassada para a Polícia Federal em Santa Cruz do Sul que vai dar prosseguimento às investigações. O recorde anterior de apreensão da PRF ocorreu em agosto deste ano em Carazinho, quando foram recolhidas 2,8 toneladas de maconha em um caminhão com carga de geradores.


Veja também:


27/10/2020 | 16h49min

» Trânsito: Validade da CNH é uma das mudanças no código de trânsito brasileiro

27/10/2020 | 11h59min

» Economia: Auxílio emergencial: Caixa libera último saque do ciclo 2

27/10/2020 | 11h10min

» Abastecimento: Convênio técnico deve resolver problemas de armazenamento de água na barragem de Santiago


Comentários:


Voltar ao topo