No ar:
Santiago Atualidade - Paulo Pinheiro    10h00min às 11h29min

Ouvir!      Fale com o locutor/mural

» Vida / Estilo » Saúde


09/05/2016 | 10h55min

Os benefícios de correr no parque e na esteira ergométrica

Sedentarismo mata 300 mil pessoas por ano no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)

Correr é tudo de bom. Foto: DivulgaçãoCorrer é tudo de bom. Foto: Divulgação

No Brasil, 300 mil pessoas morrem por ano de doenças associadas ao sedentarismo. A prática de atividades físicas pode reverter esse quadro. De acordo com o educador físico e diretor científico do Departamento de Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), Natan Silva Júnior, os exercícios aeróbicos, como a corrida, são os mais indicados para combater as doenças do coração. “Trinta minutos de exercícios por dia já seriam suficientes para tirar a pessoa do sedentarismo”.

 

Diante de uma rotina complicada, falta de infraestrutura dos parques e ambientes públicos, segurança e deslocamento, muitas pessoas não conseguem sair para correr e acabam se exercitando na esteira ergométrica. O especialista ressalta que embora a prática seja benéfica para saúde do corpo e da mente, existe uma grande diferença em praticar exercícios na academia e ao ar livre. “Na academia, os fatores meteorológicos não interferem na rotina do treino. Por outro lado, ao ar livre é possível variar o local onde será realizado o exercício e isso aumenta o prazer de se fazer as atividades”.

 

Segundo a OMS, no mundo, cinco milhões de pessoas morrem por doenças causadas por falta de atividades físicas. O diretor científico da Socesp explica que é preciso combater os fatores de risco para diminuir esses números. A prática de atividades físicas reduz a obesidade e auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares. 

 

O especialista recomenda para quem pretende iniciar a prática da corrida, fazercheckup com o médico cardiologista para saber se tem algum impedimento e condições físicas para iniciar os treinamentos. Além disso, reforça que se exercitar em ambos os locais (academia ou ao ar livre), principalmente nas práticas aeróbicas, agrega benefícios para o coração, como a melhoria da capacidade de ejeção de sangue para todo o corpo, aumento da quantidade de vasos sanguíneos no coração e da cavidade cardíaca.

 

Ainda sobre a importância da orientação de um especialista, Natan alerta que os principais riscos de se fazer exercício sem acompanhamento é por conta da condição de saúde inicial do indivíduo e do excesso de exercício físico, que pode causar lesões.

 

O educador físico explica que na academia é esperado que o indivíduo tenha orientação de um professor de educação física. “No caso, o iniciante deve passar por uma avaliação física para que o profissional prescreva os exercícios e a periodicidade adequada”.

 

Ao ar livre, ele ressalta que também é importante que o indivíduo procure algum profissional de educação física para evitar excessos que possam provocar futuras lesões articulares e danos mais sérios, como problemas cardíacos. O pesquisador reforça que a recomendação é que o praticante faça corrida ou caminhada e que comece de modo leve, com uma regularidade de três vezes por semana, com uma duração média de 30 a 40 minutos. “É importante destacar que exercícios leves e moderados são aqueles que promovem os maiores benefícios para a saúde cardiovascular”, conclui Natan.

 

SOCESP – SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO


Veja também:


07/12/2017 | 13h02min

» Saúde: Nutricionista dá dicas para curtir o verão e as festas de fim de ano sem descuidar da alimentação

05/12/2017 | 09h48min

» Beleza: Segundo especialista, Juliana Paes é referência de sobrancelha bonita no Brasil

04/12/2017 | 10h09min

» Oportunidade: Ainda da tempo de fazer a inscrição para o concurso de agente comunitário de saúde


Comentários:


Voltar ao topo