No ar:
Plantão Gaúcha - Rede Gaúcha Sat    22h00min às 23h59min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Vida / Estilo » Memória


24/07/2015 | 13h29min

Homenagem de Jaime Pinto à querida Comadrinha

A doce comadrinha. Foto: Acervo fotográfico do pesquisador e formado em História Fábio MonteiroA doce comadrinha. Foto: Acervo fotográfico do pesquisador e formado em História Fábio Monteiro

Maria  Amália de Freitas, a querida Comadrinha foi um dos personagens mais populares de Santiago. Meiga, bondosa, adorava animais, em especial cães. Faleceu em 1978.
Jaime Pinto escreveu uma bela poesia em homenagem a essa grande mulher. 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Comadrinha


Seu nome é Amália Freitas,
Comadrinha é só apelido
Que a voz do povo lhe deu,
Quem é que não conheceu
Aquela criaturinha,
Que diariamente caminha
Por esse mundo de Deus?


Leva um feixe de gravetos,
E lata velha e papel,
Lá prá os fundos do quartel
E imediações do Riachuelo
Amenizando o fragelo,
De seus irmãos de tortura
Cumprindo a santa ventura,
De andar semeando o desvelo.


Criou-se varrendo casa
E nas lidas de cozinha,
Comum era a Comadrinha
Amadrinhando um menino,
Depois foi perdendo o tino
A força, a própria energia,
Até que se refugia
No pátio do Picolino.


Curvada ao rigor dos anos
Não olha para quem passa,
Não chora, não acha graça
Dos que vivem a sorrir
Passou a vida a sentir
As agruras da pobreza,
Para Alcançar a riqueza
Dos que vivem prá servir.


Alheia ao século novo,
Indiferente às risadas
Às vaias da gurizada
Ela vai quase de arrasto
A ninguém importa o rasto
Que percorre comumente,
E nem mesmo aquela gente
Que embalou e fez andar
Faz um gesto prá aliviar
O peso da sua cruz,
Ou para aumentar a luz
Do seu mundo apostolar.


Já ganhaste um monumento
Das mãos serenas do artista,
Como uma eterna conquista
De todo o bem sobre o mal,
E da pureza do ideal
Que encarnaste na vida,
Fica prá sempre esculpida
A tua fraternidade,
O amor, a caridade,
Que no teu ser toma forma
Para sempre te transforma
Numa estátua da bondade.


O teu vulto ficará
Ornamento dos salões,
Dizendo à estas gerações
De aspirações indecisas,
Que as venturas imprecisas
De um mundo tão egoísta
Não simbolizam conquista
Mas só o amor eterniza.

 


Veja também:


21/03/2017 | 15h16min

» Receita: Salada com batata yacon

21/03/2017 | 15h08min

» Beleza: Truques para melhorar o aspecto visual da pele cansada

21/03/2017 | 10h54min

» Nutrição: Batata Yacon, a queridinha das dietas funcionais


Comentários:


Voltar ao topo