No ar:
Olho Vivo - Jones Diniz    08h10min às 09h55min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Política


04/04/2017 | 08h54min

TSE começa a julgar ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer

Julgamento é considerado o mais importante da história do tribunal

Dilma e Temer. Foto: DivulgaçãoDilma e Temer. Foto: Divulgação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começa a julgar, às 9h, a ação em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais de 2014. O julgamento é considerado o mais importante da história do tribunal.



Mesmo com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o processo continuou e pode terminar com a convocação de eleições indiretas, presididas pelo Congresso, caso a chapa seja cassada. O rito será o mesmo utilizado na análise de outros processos, e a suspensão do julgamento por um pedido de vista ou para a concessão de mais prazo para a defesa se manifestar não está descartado.

 

A sessão começará com a leitura do relatório, o resumo de toda a tramitação do processo, pelo relator, ministro Herman Benjamin. Em seguida, o presidente do TSE, Gilmar Mendes, passará a palavra aos advogados da ex-presidenta Dilma Rousseff, do presidente Michel Temer e do PSDB. Após as argumentações das defesas, o representante do Ministério Público Eleitoral (MPE) apresentará parecer pela cassação da chapa, conforme adiantado na semana passada pela imprensa.

 

Após todas as manifestações, a palavra volta para o relator, que deverá analisar questões preliminares apresentadas pelos advogados antes de proferir o voto. O ministro deverá se pronunciar sobre a aceitação da cassação e se as contas de Temer podem ser julgadas separadamente, conforme pretende a defesa. Em seguida, votam os ministros Napoleão Nunes Maia, Henrique Neves, Luciana Lóssio, Rosa Weber, Luiz Fux e o presidente, Gilmar Mendes.

 

Em caso da cassação da chapa, o TSE deverá decidir se eleições indiretas serão convocadas pelo Congresso. Ao decidir eventualmente pela cassação, o presidente poderá continuar com os direitos políticos, ao contrário de Dilma, que ficará inelegível por oito anos, por ser a mandatária da chapa.

 

EBC


Veja também:


22/09/2017 | 13h21min

» Trânsito: Uso do celular enquanto dirige está entre as principais infrações de trânsito, em Santiago

22/09/2017 | 13h14min

» Agricultura: Irregularidades na emissão de Receitas Agronômicas chama atenção

22/09/2017 | 12h54min

» Canteiro de conservação da RS 377: Deputado Miguel Bianchine faz pressão junto a secretria de Transporte


Comentários:


Voltar ao topo