No ar:
Atualidade esportes - Sergio Ramos    11h45min às 12h00min

Ouvir!     

» Geral » Política


20/09/2017 | 06h41min

Supremo decide sobre suspensão de denúncia contra Temer

Questão começou a ser decidida na semana passada, antes do envio das acusações à Corte, mas o julgamento foi interrompido sem nenhum voto proferido

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve decidir nesta quarta (20) sobre a suspensão da denúncia apresentada pelo ex-procurador-geral da República (PGR) Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer e integrantes do PMDB. A questão começou a ser decidida na semana passada, antes do envio das acusações à Corte, mas o julgamento foi interrompido sem nenhum voto proferido.

 

A sessão está prevista para começar às 14h e também será marcada pela estreia da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, como representante do Ministério Público Federal (MPF) no Supremo.  Na semana passada, após receber a denúncia contra o presidente, de organização criminosa e obstrução de Justiça, Fachin decidiu aguardar a decisão da Corte sobre a suspensão do caso antes de enviar o processo à Câmara dos Deputados, conforme determina a Constituição.

 

O julgamento foi motivado por um pedido feito pela defesa de Temer. Inicialmente, o advogado Antônio Claudio Mariz, representante do presidente, pretendia suspender uma eventual denúncia. Na quinta-feira (14), após Janot enviar a denúncia ao STF, Mariz entrou com outra petição e pediu que a peça seja devolvida à PGR.

 

Para o defensor, as acusações referem-se a um período em que o presidente não estava no cargo. De acordo com a Constituição, o presidente da República não pode ser alvo de investigação sobre fatos que aconteceram antes de assumir a chefia do governo.

 

EBC


Veja também:


20/06/2018 | 11h00min

» Economia: Leilão próprio organizado pela Prefeitura de Santiago rendeu mais de R$ 152 mil

20/06/2018 | 10h50min

» #ficaadica: Tomar 1 taça de vinho por dia ajuda a prevenir infarto

20/06/2018 | 10h41min

» Receita: Como fazer geleia de bergamota


Comentários:


Voltar ao topo