No ar:

Ouvir!     

» Geral » Política


11/07/2017 | 14h35min

Sem luz, senadoras mantêm ocupação da Mesa do Senado para impedir votação

Projeto propõe mais de 100 alterações na CLT

Senadoras da oposição ocuparam a Mesa do Senado. Foto: Antonio Cruz/Divulgação/Agência BrasilSenadoras da oposição ocuparam a Mesa do Senado. Foto: Antonio Cruz/Divulgação/Agência Brasil

Mesmo com os microfones desligados e as luzes do plenário apagadas, as senadoras de oposição que ocuparam a Mesa do Senado permanecem no local para tentar impedir a votação da reforma trabalhista. O presidente da Casa, Eunício Oliveira, foi impedido de presidir a sessão que iria analisar a proposta.

 

O protesto é feito pelas senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN), Ângela Portela (PT-ES), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lídice de Mata (PSB-BA), Regina Sousa (PT-PI) e Kátia Abreu (PMDB-TO).

 

A ocupação foi criticada por senadores governistas. “Isso é um verdadeiro vexame para o Senado, eu diria até uma vergonha. Nunca aconteceu isso aqui. Eu só posso dizer que estou chocado. Diante disso que aconteceu acho que o presidente está certo. O que nós queremos é votar, tudo se resolve aqui no voto e não dessa maneira”, disse o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN).

 

Já o senador Jorge Viana (PT-AC) disse que o impasse se deve à forma com que o governo está conduzindo as reformas no Congresso. “É uma atitude de um grupo de senadoras. É isso que dá esse impasse que o Brasil está vivendo. É claro que não é bom, mas, por outro lado, como é que pode se fazer uma reforma trabalhista sem que o Senado possa alterar um inciso, um artigo de uma lei que é tão importante para todo mundo?”, avaliou.


Veja também:


22/02/2018 | 15h40min

» Economia: Santiago entre os municípios gaúchos que cresceram no conceito do Ministério do Turismo

22/02/2018 | 15h10min

» Segurança: RS: concurso para delegado tem 100 vagas e salário de mais de R$ 20 mil

22/02/2018 | 10h34min

» Política: Presidente da Assembleia RS aconselha, "Não anule seu voto, é um grande erro"; ouça a entrevista


Comentários:


Voltar ao topo