No ar:
Caseriando - Marco Antônio Nunes    12h00min às 14h00min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Internacional


08/04/2017 | 13h23min

Rússia diz que Trump atacou a Síria para mostrar força a seus rivais nos EUA

"É parte de uma luta de grupos da elite política e militar, que se envolveram em uma briga de vida e morte", diz diplomata

A decisão dos Estados Unidos de atacar a Síria não responde a uma estratégia no Oriente Médio, mas é uma tentativa de demonstrar força aos oponentes na guerra política em Washington após a chegada de Donald Trump à Casa Branca, disse neste sábado a porta-voz da Diplomacia russa, Maria Zakharova. Informação da agência EFE.

 

O ataque de ontem contra uma base aérea da Síria "não tem nada a ver com a política de Washington no Oriente Médio, não é parte de uma estratégia, muito menos de um plano. Trata-se de uma demonstração de força dentro da disputa política interna nos Estados Unidos", ressaltou Zakharova em entrevista à televisão estatal russa.

 

"É parte de uma luta de grupos da elite política e militar, que se envolveram em uma briga de vida e morte", acrescentou a diplomata.

 

A ação militar americana, qualificada de "agressão" pelo presidente russo Vladimir Putin, "deixou em evidência que os EUA são o Estado mais imprevisível, e se há algo previsível nos Estados Unidos, é o imponderável de sua política externa", afirmou Zakharova.

 

Para a diplomata, o que sim é previsível é a política externa de outros integrantes da Otan, "já que estes sempre seguiram o curso imposto a partir de Washington".

 

Zakharova adiantou que o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, perguntará as razões do ataque a seu colega americano, Rex Tillerson, que visitará Moscou nos próximos dias 11 e 12.

 

"Vamos ouvir o que ele tem a dizer, vamos fazer perguntas. Acho que devemos ter compreensão dos processos que acontecem nos EUA, mas também temos que ressaltar que essas ações são inaceitáveis", indicou a porta-voz da Diplomacia russa.

 

Moscou insiste que o pretexto para a represália - a morte de mais de 80 civis na província síria de Idlib por um suposto ataque com armas químicas atribuído ao regime sírio - não se sustenta, assim como as intenções declaradas dos países do Ocidente de investigar a tragédia.

 

"O paradoxo é que, após exigir o envio de inspetores para revisar os aviões" que tinham bombardeado a cidade síria de Khan Sheikhoun, "atacaram (e destruíram) em seguida essas mesmas aeronaves que queriam inspecionar", explicou Zakharova.

 

EBC


Veja também:


22/04/2017 | 14h39min

» Economia: Última semana para condutores pagarem o IPVA 2017

22/04/2017 | 14h16min

» Direitos humanos: Corpos de nove trabalhadores rurais assassinados em Mato Grosso vão para perícia

22/04/2017 | 14h10min

» Cidadania: Campanha Baleia Rosa usa redes sociais para incentivar boas ações


Comentários:


Voltar ao topo