No ar:

Ouvir!     

» Geral » Serviço


24/10/2017 | 15h32min

RGE Sul desenvolve um dispositivo que promete tornar mais seguro o trabalho dos eletricistas no combate à inadimplência

No cenário atual, tem-se um total aproximado de 50% de rejeição nas visitas realizadas pela empresa para ações de corte

A RGE Sul, distribuidora da CPFL Energia que atende a 1 milhão e 300 mil  clientes no Rio Grande do Sul, desenvolveu um dispositivo que promete tornar mais seguro e efetivo o trabalho dos eletricistas no combate à inadimplência.

 

Utilizando-se da tecnologia bluetooth, os profissionais da companhia poderão realizar ações de corte e religação à distância, evitando a necessidade de ingressar dentro das instalações dos clientes para a execução destes serviços.

 

A iniciativa desenvolvida pela RGE Sul, com recursos do programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), tem como proposta a instalação de um dispositivo bluetooth no ponto de conexão dos clientes com histórico de inadimplência com a rede elétrica. Com a ferramenta, a intenção da distribuidora é evitar expor os seus eletricistas a situações de risco quando, muitas vezes, o próprio cliente impede as equipes da companhia de ter acesso ao medidor.

 

No cenário atual, tem-se um total aproximado de 50% de rejeição nas visitas realizadas pela empresa para ações de corte. Nestes casos, o ciclo, que vai desde o vencimento da fatura até a etapa final de rescisão de contrato, leva cerca de 90 dias. Com a implantação do projeto de corte e religa à distância por bluetooth, esse tempo diminui para 35 dias. Além de apresentar grande redução do custo operacional, visto que não existe mais a necessidade de visitas frequentes das equipes.


Veja também:


17/02/2018 | 23h00min

» Imprudência: Ultrapassagem forçada provoca acidente em Santiago

17/02/2018 | 15h41min

» Educação: Palestra de Eduardo Shinyashiki proporciona um belo começo de ano letivo

17/02/2018 | 15h21min

» Política: Decreto presidencial cria novas regras para utilização de carros oficiais


Comentários:


Voltar ao topo