No ar:
Baita Chão - Marcelo Peronio e Marco Antônio Nunes    14h05min às 15h30min

Ouvir!     

» Geral » Serviço


22/06/2017 | 09h05min

RG e CPF passam a ser indispensáveis para liberar medicamentos nas unidades de saúde

A ideia é possibilitar o cadastro dos usuários que recebem remédios gratuitamente e construir um controle eficiente dos ítens de maior saída

Treinamento com equipes dos EFS. Foto: DivulgaçãoTreinamento com equipes dos EFS. Foto: Divulgação

A Secretaria de Saúde de Santiago está implantando um sistema eletrônico de controle de medicamentos dispensados à população por meio das unidades de saúde do município. A ideia é possibilitar o cadastro dos usuários que recebem remédios gratuitamente e construir um controle eficiente dos ítens de maior saída. Essa implantação atende a uma determinação do Ministério da Saúde e vai oferecer melhor segurança, diminuir perdas de estoque e, em função disso, menos gastos. 

 

Treinamento


Na manhã desta terça aconteceu um treinamento com as equipes dos ESFs e Caps que receberam orientações de técnicos da IP Tecnologia, responsável pelo sistema atualmente usado na Prefeitura. Conforme a farmacêutica Liana Canterle, responsável pelo controle de estoques de medicamentos, essa implantação vai proporcionar agilidade para a população e economia para a Prefeitura.

 

CPF ou RG sempre na mão!


Com a implantação do sistema, será obrigatório que as pessoas levem sempre seus documentos (CPF ou RG), inclusive das crianças, pra que se possa inserir os dados no sistema e liberar o medicamento. "O documento passa a ser indispensável na hora de buscar o atendimento nas unidades de saúde", ressalta Liana.


Veja também:


18/01/2018 | 10h10min

» Denúncia: Mulher coloca fogo em residência após discussão com seu companheiro, em Maçambara

18/01/2018 | 10h01min

» Trânsito: Adolescente de 17 anos que dirigia um motocicleta sofre grave acidente de trânsito

18/01/2018 | 09h58min

» Denúncia: Cocaína, maconha, arma e munição foram apreendidas durante abordagem de veículo no bairro João de Deus


Comentários:


Voltar ao topo