No ar:
Plantão Gaúcha - Rede Gaúcha Sat    22h00min às 23h59min

Ouvir!     

» Geral » Economia


07/01/2018 | 10h24min

Preço médio da cesta de compras fecha 2017 em alta, mostra FGV

Famílias com renda até 2,5 salários mínimos tiveram inflação de 2,07% no ano passado

O Índice de Preços ao Consumidor Classe 1, conhecido como IPC-C1, fechou 2017 com alta de 2,07%. O indicador mede a variação de preços da cesta de compras para famílias com renda de até dois salários mínimos e meio. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o índice ficou abaixo dos 6,22% acumulados em 2016.

 

O IPC-C1 também ficou abaixo do Índice de Preços ao Consumidor, o IPC Brasil, que mede a inflação para todas as faixas de renda e fechou o ano passado em 3,23%. Quatro dos oito grupos que compõem o IPC-C1 apresentaram diminuição: habitação (0,92% para -0,58%), transportes (0,58% para 0,29%), educação, leitura e recreação (0,53% para 0,32%) e saúde e cuidados pessoais (0,23% para 0,22%).

 

Nestes segmentos, os destaques foram o preço da luz (3,84% para -3,89%), a tarifa de ônibus urbano (0,21% para -0,59%), salas de espetáculo (1,03% para 0,73%) e medicamentos em geral (0,09% para -0,06%), respectivamente.

 

Em contrapartida, a inflação no setor de alimentação (-0,47% para 0,13%), vestuário (-0,17% para 0,33%) e comunicação (-0,42% para -0,37%) cresceu. Nestas classes de despesa, destacam-se os itens de aves e ovos (-1,88% para 0,21%), roupas (-0,33% para 0,59%) e tarifa de telefone residencial (-1,75% para -1,03%), respectivamente.

 

Em dezembro, o IPC-C1 teve uma deflação de 0,03%, abaixo da inflação de 0,21% registrada no mês anterior. A próxima divulgação do IPC-C1 acontecerá em fevereiro.


Veja também:


23/05/2018 | 19h12min

» : Greve afeta supermercados e ameaça produção de veículos

23/05/2018 | 18h58min

» Economia: Governo pede trégua, mas reunião com caminhoneiros termina sem acordo

23/05/2018 | 16h47min

» Polícia: Presos dois suspeitos de tentativa de homicídio contra sindicalista de Capão do Cipó


Comentários:


Voltar ao topo