No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Política


11/09/2017 | 09h49min

PF faz operação para recolher provas relacionadas à prisão de executivos da J&F

Essa operação ocorre em cumprimento à ordem judicial expedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin

Agentes da Polícia Federal estão cumprindo nesta segunda (11) cinco mandados de busca e apreensão, sendo quatro em São Paulo e um no Rio de Janeiro, na Operação Bocca, relacionada à prisão do empresário Joesley Batista, do grupo J&F, e do executivo da empresa, Ricardo Saud.

 

Ambos estão desde ontem (10) na sede da superintendência da PF em São Paulo e devem ser transferidos para Brasília até o início da tarde.

 

Essa operação ocorre em cumprimento à ordem judicial expedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, que acolheu o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de prisão temporária de Joesley Batista e Saud.

 

O nome “Bocca” refere-se a "Bocca della Verità", cuja característica é seu papel como detector de mentiras. “Desde a Idade Média, acredita-se que se alguém contar uma mentira com a mão na boca da escultura, ela se fecharia 'mordendo' a mão do mentiroso”, diz a nota da PF.

 

As prisões foram motivadas pela constatação de Janot de que houve omissão de informações por parte dos delatores, ao receber um áudio de quatro horas de uma conversa dos executivos da J&F Joesley Batista e Ricardo Saud, que mencionavam o ex-procurador da República Marcelo Miller.

 

Também foi feito o pedido de prisão temporária de Miller, mas Fachin avaliou que não há elemento indiciário suficiente para tal procedimento.

 

EBC


Veja também:


25/09/2017 | 16h49min

» Publicidade: Semana de muitas promoções no Damian CenterLar! #boascompras

25/09/2017 | 15h20min

» Clima: Horário de verão é confirmado para entrar a partir do dia 15 de outubro

25/09/2017 | 15h09min

» Cultura: Tour literário pela Terra dos Poetas neste sábado


Comentários:


Voltar ao topo