No ar:
Ponto de Vista - Jones Diniz    10h00min às 12h00min

Ouvir!     

» Geral » Nacional


27/08/2017 | 14h37min

Naufrágio em Roraima deixa quatro mortos e é o terceiro no país em quatro dias

A canoa transportava dez pessoas: três adultos e sete crianças e adolescentes, entre 4 e 14 anos de idade

Quatro crianças e adolescentes morreram após uma canoa virar nesse sábado (26) em um braço do Rio Água Boa, a 40 quilômetros do município de Caracaraí, no sul de Roraima. A canoa transportava dez pessoas: três adultos e sete crianças e adolescentes, entre 4 e 14 anos de idade. A família pescava no momento do acidente. Esse é o terceiro acidente

 

O Corpo de Bombeiros de Roraima localizou hoje (27) os corpos de três crianças e adolescentes. Uma menina de 12 anos foi socorrida no momento do naufrágio, mas não resistiu.

 

Segundo a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros de Roraima, a canoa estava superlotada. Os sobreviventes relataram aos bombeiros que, quando um dos adultos pegou um peixe, as crianças se assustaram, com o movimento, a canoa virou.

 

Por meio de panfletos, os bombeiros prometem intesificar a conscientização de segurança nas embarcações.

 

Este é o terceiro acidente grave que ocorre com embarcações no país em menos de quatro dias. Dois acidentes, um em Salvador, na Bahia e outro em Belém, no Pará, chocaram o país na semana passada e serviram para aumentar as estatísticas e chamar atenção para a necessidade de intensificar as medidas de segurança na proteção de quem usa este meio de transporte. Segundo a Marinha do Brasil, de janeiro a agosto deste ano foram registrados 107 naufrágios, contra 95 casos no mesmo período de 2016, um crescimento de 12,63%.

 

EBC


Veja também:


24/02/2018 | 13h41min

» Economia: Clientes do Banco do Brasil poderão usar Facebook para fazer transações bancárias

24/02/2018 | 13h39min

» Sustentabilidade: Uso da água e desigualdade na oferta precisam ser discutidas, diz especialista

24/02/2018 | 12h40min

» Meio Ambiente: Famílias se sustentam com a reciclagem do lixo em Santiago


Comentários:


Voltar ao topo