No ar:
Olho Vivo - Jones Diniz    08h10min às 09h55min

Ouvir!     

» Geral » Economia


22/05/2018 | 08h49min

Ministros e Petrobras discutem alta no preço dos combustíveis

Reuniões ocorrem no momento em que os caminhoneiros deflagraram uma paralisação por tempo indeterminado

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

Pelo segundo dia consecutivo, a alta no preço dos combustíveis é tema de reuniões em Brasília. Os ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e de Minas Energia, Moreira Franco, discutem hoje (22), com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, para uma conversa técnica sobre o assunto.

 

As reuniões ocorrem no momento em que os caminhoneiros deflagraram uma paralisação por tempo indeterminado e que bloqueiam rodovias em vários estados. A categoria reclama do reajuste das tarifas do diesel, que encarecem o valor do serviço.

 

Ontem (21), no final da tarde, o presidente Michel Temer convocou uma reunião de emergência para tratar do mesmo tema com os ministros Moreira Franco (Minas e Energia), Eliseu Padilha (Casa Civil), Eduardo Guardia (Fazenda), Esteves Colnago (Planejamento) e o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, no Palácio do Planalto.

 

Também ontem a Petrobras informou que deverá elevar os valores do diesel em 0,97% e os da gasolina, em 0,9% nas refinarias a partir de hoje. Na semana passada, houve vários reajustes de preço nas refinarias.

 

Há discussões no governo sobre a possibilidade de redução da cobrança de tributos sobre os combustíveis. Existem situações em que a composição de impostos supera 40% do valor final do preço.

 

Padilha disse que o governo estuda uma forma de tornar os preços dos combustíveis mais “previsíveis”.

 

EBC


Veja também:


07/08/2020 | 07h14min

» Publicidade: Ir com ELE, ao mercado se torna uma aventura! Dia dos pais é no Damian CenterLar!

06/08/2020 | 14h35min

» Publicidade: Cartão Damian: Quer solicitar o seu sem precisar sair de casa e concorrer a R$ 3 mil em vale compras?

06/08/2020 | 14h25min

» Educação: Pesquisa da secretaria de Educação aponta que 87,7% das famílias santiaguenses não enviariam seus filhos para a escola


Comentários:


Voltar ao topo