No ar:
A Voz do Brasil - EBC Serviços    19h00min às 20h00min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Economia


27/03/2017 | 09h44min

Mercado financeiro reduz de 4,15% para 4,12% projeção para a inflação

Projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%

O mercado financeiro reduziu, pela terceira vez consecutiva, a projeção para a inflação este ano. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,15% para 4,12%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras.

 

A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a projeção segue em 4,5%.

 

A previsão de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB, soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano foi ajustada de 0,48% para 0,47%. Para o próximo ano, a estimativa foi mantida em 2,5%.

 

Selic deve fechar ano em 9%

 

Para o mercado financeiro, a taxa Selic encerrará 2017 em 9% ao ano. Para o final de 2018, a expectativa permanece em 8,50% ao ano. Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e a inflação.

 

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

 

EBC


Veja também:


24/07/2017 | 17h22min

» Publicidade: Semana de muitas promoções no Damian CenterLar! Aproveite

24/07/2017 | 15h50min

» Trânsito: Número de acidentes em Santiago diminuiu quase 20% em relação a 2016, conforme dados da Guarda Municipal

24/07/2017 | 15h00min

» Economia: Feiras do produtor movimentam perto de R$ 300 mil mensais em Santiago


Comentários:


Voltar ao topo