No ar:
Olho Vivo - Jones Diniz    08h10min às 09h55min

Ouvir!      Fale com o locutor/mural

» Geral » Política


21/07/2017 | 10h04min

Lula tem R$ 9 milhões em planos de previdência bloqueados a pedido de Moro

Nos dois casos, as medidas foram tomadas a pedido do Ministério Público Federal (MPF)

A pedido do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, o Banco do Brasil (BB) bloqueou mais de R$ 9 milhões em planos de previdência em nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na quarta-feira (19), também por determinação do magistrado, foram confiscados imóveis e veículos, além do bloqueio, pelo Banco Central, de R$ 606,7 mil das contas do ex-presidente.

 

Nos dois casos, as medidas foram tomadas a pedido do Ministério Público Federal (MPF), para fins de reparação de danos à Petrobras no processo em que o ex-presidente foi condenado a nove anos e meio de prisão, em primeira instância, no caso do triplex de Guarujá (SP).

 

Em ofício enviado ao magistrado, o Banco do Brasil informou que foram bloqueados os saldos de dois planos de previdência. Um empresarial, em nome da empresa LILS Palestras Eventos e publicações, que tem Lula como beneficiário, e um individual, em nome do ex-presidente. Do primeiro, foram bloqueados R$ 7.190,963,75 e, no segundo, R$ 1.848.331,34.

 

A defesa de Lula ainda não se manifestou sobre o novo bloqueio de bens do ex-presidente. Na quarta-feira (19), os advogados do ex-presidente consideraram a decisão de Moro "ilegal e abusiva" e informaram que será alvo de pedido de impugnação. Também em nota, o PT disse que a decisão de Moro é "mesquinha" e que trata-se de uma "vingança" conta um inocente.

 

EBC


Veja também:


12/12/2017 | 17h06min

» Meio Ambiente: Tupantuba vai receber a Ação Global Estamos Juntos nesta sexta

12/12/2017 | 16h38min

» Educação: Prefeitura de Santiago continua buscando soluções para a extinta Rubem Machado Lang

12/12/2017 | 16h36min

» Trânsito: Obra do aeroporto de Santiago estão próximas do fim


Comentários:


Voltar ao topo