No ar:
Olho Vivo - Jones Diniz    08h10min às 09h55min

Ouvir!     

» Geral » Política


23/01/2018 | 14h39min

Julgamento de Lula é "evento natural", diz Temer na Suíça

O presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira (23) que o julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta quarta (24) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, será um “evento natural” e que não deve gerar nenhuma instabilidade política. Temer falou com jornalistas assim que chegou à Suíça, onde participará do 48º Fórum Econômico Mundial, que reunirá líderes de 70 países. 

 

Questionado sobre qual poderia ser o impacto do julgamento, Temer disse que o fato “talvez roube a cena” da abertura do fórum, mas que não deve provocar nenhuma preocupação institucional. “Talvez roube a cena daqui porque é no mesmo dia. Mas fora daí, eu acho que não vai causar mal-estar nenhum, é um evento natural”, afirmou Temer.

 

O presidente disse ainda que o julgamento evidencia que “as instituições brasileiras estão funcionando com toda tranquilidade” e isso pode dar segurança para potenciais investidores no país. Temer reafirmou que seus encontros no fórum são todos de natureza empresarial e que sua expectativa é que investidores se interessem cada vez mais pelo Brasil.

 

Michel Temer ressaltou que vai apresentar um “novo Brasil” em seu discurso no evento, além de destacar a agenda de reformas empreendida pelo governo federal. O presidente reforçou a previsão de investimento de R$ 130 bilhões em obras de infraestrutura e a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) acima de 2,5% este ano.

 

O presidente participará do Fórum Econômico Mundial, em Davos, que ocorrerá até a próxima sexta (26).

 

EBC


Veja também:


24/05/2018 | 08h49min

» Meio Ambiente/Obras: Cidade Ativa continua executando limpeza nos bairros; acompanhe o cronograma

23/05/2018 | 19h12min

» : Greve afeta supermercados e ameaça produção de veículos

23/05/2018 | 18h58min

» Economia: Governo pede trégua, mas reunião com caminhoneiros termina sem acordo


Comentários:


Voltar ao topo