No ar:
Terra Nativa - Luis Fernando Rocha    07h00min às 08h00min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral »


13/04/2017 | 09h05min

Investigação de políticos citados em delações pode durar até 5 anos no STF

A estimativa faz parte do levantamento Supremo em Números, divulgado anualmente pela FGV Direito Rio

Os inquéritos abertos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar políticos citados nas delações premiadas de ex-executivos da Odebrecht podem levar pelo menos cinco anos e meio para chegar a uma conclusão. O tempo é estimado pela FGV Direito Rio para que um processo criminal envolvendo autoridades com foro privilegiado seja finalizado.

 

A estimativa faz parte do levantamento Supremo em Números, divulgado anualmente pela instituição. Além do tempo médio, durante a tramitação, os processos ainda poderão ser paralisados e remetidos para a primeira instância do Judiciário se os políticos envolvidos não se reelegerem e, com isso, perderem o foro privilegiado. A prescrição dos crimes também não está descartada. No caso de investigados maiores de 70 anos, o tempo para a Justiça punir os acusados cai pela metade em relação à pena máxima para cada crime.

 

Os políticos citados nas delações dos ex-executivos da empreiteira Odebrecht vão responder no STF pelos crimes de lavagem de dinheiro, crime eleitoral (caixa 2) e corrupção ativa e passiva. As pena variam de três a 12 anos de prisão.

 

Com a abertura da investigação, os processos devem seguir para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a Polícia Federal (PF) para que sejam cumpridas as primeiras diligências contra os citados. Ao longo da investigação, pode ser solicitada a quebra dos sigilos telefônico e fiscal, além da oitiva dos próprios acusados.

 

EBC


Veja também:


20/07/2017 | 14h10min

» Rádio Santiago 66 anos: "A Rádio Santiago foi tudo na minha vida", se declara o poeta e trovador Adair Lançanova

20/07/2017 | 13h45min

» Curso: Psicóloga Carla Tusi traz para Santiago o Dr. Deroní Sabbi

20/07/2017 | 13h38min

» Religião: Representantes de paroquias e dioceses, incluindo padres, bispos participam da missa de posse do novo bisco, Dom José Mário


Comentários:


Voltar ao topo