No ar:
Plantão Gaúcha - Rede Gaúcha Sat    22h00min às 23h59min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Educação


10/02/2017 | 09h50min

Inep amplia prazo de consulta pública do Enem até o dia 17

Com base nas respostas, o Ministério da Educação (MEC) poderá modificar o exame ainda este ano

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Nacionais Anísio Teixeira (Inep) ampliou o prazo da consulta pública sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) até o dia 17 de fevereiro. A consulta foi aberta no dia 18 de janeiro, pela internet, e terminaria nesta sexta, 10.

 

Qualquer pessoa pode participar. O Inep enviou um e-mail convidando os 6,1 milhões de participantes do Enem 2016 para opinarem sobre aspectos que podem ser mudados no exame.

 

Com base nas respostas, o Ministério da Educação (MEC) poderá modificar o exame ainda este ano. Uma das principais mudanças poderá ser aplicação das provas em apenas um dia. Atualmente, o Enem é aplicado em dois dias – um sábado e um domingo. A prova seria menor e teria, no máximo, 100 questões – hoje são 180.

 

Consulta pública

 

Na consulta pública, disponível na internet, há quatro questões sobre o Enem. Em uma delas a pessoa define o formato, de um ou dois dias. Sendo dois dias, ainda é possível sugerir se as provas devem ser aplicadas em dois domingos ou mesmo em um domingo e uma segunda-feira, que seria feriado escolar.

 

Uma das questões é livre para que a pessoa dê as próprias sugestões. E a última pergunta é sobre a realização do Enem por computador. A ideia não é nova e vem sendo discutida desde 2012. No entanto, o ministro da Educação, Mendonça Filho, já disse que é inviável executar uma mudança como essa neste ano, e que pode haver, no máximo, testes de aplicação.


Veja também:


25/05/2017 | 17h04min

» Política: OAB protocola na Câmara pedido de impeachment do presidente Temer

25/05/2017 | 16h19min

» Direitos humanos: Conheça as regras para adotar uma criança no Brasil

25/05/2017 | 16h14min

» Política: Senado aprova MP que permite saques do FGTS


Comentários:


Voltar ao topo