No ar:
Santiago Rural - Paulo Pinheiro    05h00min às 05h30min

Ouvir!     

» Geral » Política


24/05/2018 | 14h57min

Greve só termina com sanção de alíquota zero do PIS-Cofins, diz Abcam

Para poder ser sancionada pelo presidente, a medida precisa, antes, ser aprovada pelo Senado

Movimento em todo o país. Foto: Fernando Frazão/DivulgaçãoMovimento em todo o país. Foto: Fernando Frazão/Divulgação

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse nesta quinta (24) que a mobilização dos caminhoneiros nas rodovias do país só será encerrada quando o presidente Michel Temer sancionar e publicar, no Diário Oficial da União, a decisão de zerar a alíquota do PIS-Cofins incidente sobre o diesel.



Para poder ser sancionada pelo presidente, a medida precisa, antes, ser aprovada pelo Senado. 

 

Fonseca disse que os bloqueios nas estradas estão ganhando força inclusive de grupos não ligados aos caminhoneiros.

 

“Não são só os caminhoneiros que estão sendo prejudicados pela alta dos combustíveis. Isso está prejudicando todo mundo, inclusive temos recebido mensagens via redes sociais para continuarmos mantendo o movimento. Há insatisfação da sociedade com o governo”, disse.



Segundo Fonseca, os caminhoneiros não estão proibindo a passagem de veículos que transportam itens essenciais como remédios nem cargas vivas, produtos perecíveis ou oxigênio para hospital. Ônibus com passageiros e ambulâncias também estão podendo passar pelos bloqueios.



O representante dos caminhoneiros voltou a criticar a política de preço da Petrobras. “A equiparação com o preço internacional [do petróleo] foi a pior medida que podia ser feita.”


Veja também:


17/10/2018 | 15h11min

» Segurança: Descarga elétrica deixa militares da 11ª Ciacom de Santiago, feridos

17/10/2018 | 15h04min

» Região: Jaguari é a primeira cidade da região a receber família de venezuelanos

17/10/2018 | 13h32min

» Trânsito: "Irresponsável e inconsequente", diz prefeito de Santiago sobre motoristas que abusam da velocidade vias urbanas da cidade


Comentários:


Voltar ao topo