No ar:
Santiago Atualidade - Paulo Pinheiro    10h00min às 11h29min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Educação


08/03/2017 | 18h06min

Greve é a aprovada pelos professores estaduais a partir do dia 15 de março

Além da questão salarial, estão os pacotes de medidas dos governos Temer e Sartori

Professores manifestam no centro de Porto Alegre. Foto: Lucas Abati/Gaúcha/divulgaçãoProfessores manifestam no centro de Porto Alegre. Foto: Lucas Abati/Gaúcha/divulgação

Na tarde desta quarta-feira, 8, os professores da rede estadual aprovaram, greve por tempo indeterminado a partir do dia 15 de março. A assembleia geral da categoria foi realizada no Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre.

 

O movimento é adesão à greve convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) em todo o país. Outros estados também já aprovaram paralisação.

 

Além da questão salarial, entre os principais motivos do movimento estão os pacotes de medidas dos governos Temer e Sartori, e as reformas da Previdência, trabalhista e do Ensino Médio.

 

Logo após a decisão, os professores iniciaram uma caminhada em direção à Esquina Democrática, seguindo até o Palácio Piratini, na Praça da Matriz.

 

Em nota, a Secretaria da Educação chamou a decisão dos grevistas de "inoportuna" e afirmou confiar que "os nossos professores estaduais permanecerão em sala de aula, em respeito aos alunos e à comunidade escolar".

 

O texto também lembra que o Estado pagou "completivo do piso do magistério referente ao período de 2015 a 2017, impactando R$ 200 milhões/ano nos cofres públicos". Segundo a secretaria, a medida garantiu que "nenhum professor tivesse remuneração inferior ao piso nacional".

 

GAÚCHA


Veja também:


30/05/2017 | 09h11min

» Denúncia: Ladrões furtam cofre, veículo e R$ 100 mil em dinheiro e cheques de uma empresa em Santiago

30/05/2017 | 09h06min

» Polícia: Casal é atingido por vários tiros na saída de um baile

30/05/2017 | 08h45min

» Polícia: Ossada provavelmente humana é localizada numa sanga no centro de Santiago


Comentários:


Voltar ao topo