No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!     

» Geral » Econonia


17/01/2018 | 20h47min

Governo deposita nesta quinta o antepenúltimo lote do Abono Salarial de 2016

Cerca de 13 milhões de trabalhadores já estão aptos a sacar os valores, que chegam a R$ 9,84 bilhões

O governo federal deposita nesta quinta (18) o antepenúltimo lote do Abono Salarial de 2016, pago a trabalhadores que receberam remuneração média ao longo do ano de até dois salários-mínimos. A lista de liberação será ampliada gradativamente até março, mas os cidadãos que já têm direito precisam ficar atentos ao prazo final para resgate: 29 de junho deste ano.

 

Cerca de 13 milhões de trabalhadores já estão aptos a sacar os valores, que chegam a R$ 9,84 bilhões. Nesta quinta-feira (18), será liberado o sétimo lote do benefício, para os nascidos nos meses de janeiro e fevereiro. De acordo com o Ministério do Trabalho, as regiões que concentram o maior volume de recursos a serem retirados são Sudeste e Nordeste, respectivamente nos estados de São Paulo e Bahia.

 

Os dois últimos lotes do benefício serão liberados nos dias 22 de fevereiro e 15 de março. Independentemente do prazo inicial, a data limite para o saque vai até o fim do primeiro semestre deste ano, em 29 de junho. Caso contrário, os valores retornarão para a conta do Fundo de Amparo ao Trabalhador.

 

O Abono Salarial é pago a quem já estava inscrito há pelo menos cinco anos no PIS/Pasep em 2016. A depender do tempo em que o trabalhador esteve formalmente vinculado a um emprego, o valor do benefício vai de R$ 80 a R$ 954, desde que ele tenha ganhado no máximo dois salários-mínimos por mês.

 

EBC


Veja também:


22/02/2018 | 15h40min

» Economia: Santiago entre os municípios gaúchos que cresceram no conceito do Ministério do Turismo

22/02/2018 | 15h10min

» Segurança: RS: concurso para delegado tem 100 vagas e salário de mais de R$ 20 mil

22/02/2018 | 10h34min

» Política: Presidente da Assembleia RS aconselha, "Não anule seu voto, é um grande erro"; ouça a entrevista


Comentários:


Voltar ao topo