No ar:
Galpão Nativo (1º parte) - Marcelo Peronio    17h00min às 17h55min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Clima


17/07/2017 | 14h41min

Frio deve ficar mais intenso e avançar pelo país nesta semana, diz Inmet

Frente fria deve agir até quarta-feira (19), segundo o instituto, quando a temperatura deve voltar a subir

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

O frio que chegou ao Sul do país ainda não atingiu o auge e deverá provocar temperaturas negativas ainda hoje, segundo previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A temperatura mais baixa registrada na última madrugada foi 0,8 ºC em São José dos Ausentes, no nordeste do Rio Grande do Sul. 

 

O meteorologista Rogério Rezende, do 8º Distrito de Meteorologia do Inmet, explicou que a onda de frio é resultado de uma massa de ar com características polares que veio do Sul da Argentina.

 

“Tivemos grandes nevascas ontem em regiões próximas dos Andes, em Santiago do Chile, em Bariloche. Foi registrada a menor temperatura das últimas décadas, que chegou a -25 ºC. São localidades que normalmente são frias, onde há nevascas com frequência. Mas essa onda foi tão intensa que chegou ao ponto de causar transtornos nessas regiões”, disse Rezende.

 

 

A frente fria deve agir até quarta-feira (19), segundo o instituto, quando a temperatura deve voltar a subir. Rezende afirmou que a variação térmica é uma característica normal do inverno na região.

 

“A gente saiu de 30 ºC, praticamente, para quase 0 ºC, de sábado para domingo. A tendência, agora, é voltarmos a um patamar normal, com a mínima entre 4 e 5 ºC, o que é bem mais elevado do que a gente está esperando para amanhã, por exemplo, que é  -4 e -5 ºC”, explicou o meteorologista.


Veja também:


24/07/2017 | 17h22min

» Publicidade: Semana de muitas promoções no Damian CenterLar! Aproveite

24/07/2017 | 15h50min

» Trânsito: Número de acidentes em Santiago diminuiu quase 20% em relação a 2016, conforme dados da Guarda Municipal

24/07/2017 | 15h00min

» Economia: Feiras do produtor movimentam perto de R$ 300 mil mensais em Santiago


Comentários:


Voltar ao topo