No ar:
Olho Vivo - Jones Diniz    08h10min às 09h55min

Ouvir!     

» Geral » Educação


01/02/2018 | 10h15min

Fies 2018 abre inscrições em fevereiro com novas regras

Haverá oferta de novas vagas com financiamento a juros zero para estudantes com renda familiar mensal de até três salários mínimos

Aqueles que desejam ingressar no Ensino Superior neste ano devem ficar atentos às mudanças oferecidas pelo Novo Fies. A partir deste semestre, haverá a oferta de novas vagas com financiamento a juros zero para estudantes com renda familiar mensal de até três salários mínimos. Serão 100 mil vagas para essa categoria. Antes das mudanças, a taxa de juros era de 6,5% ao ano. O ministro da Educação, Mendonça Filho, ressalta que as novas regras devem facilitar o acesso ao ensino superior.

 

O programa também vai oferecer vagas exclusivas para alunos que tenham renda familiar per capita de até cinco salários mínimos e que morem nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Os recursos, segundo o ministro da Educação, virão dos fundos constitucionais regionais.

 

Há ainda o financiamento que será realizado com recursos do BNDES e atenderá estudantes de todo o país. 

 

As inscrições para o Fies, começam em fevereiro. Quem fez uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, a partir de 2010, com média igual ou superior a 450 pontos, e tirou nota superior a zero na redação, vai poder concorrer a uma das vagas para o primeiro semestre, entre os dias 19 e 23 de fevereiro. 

 

Essas novidades fazem parte do Novo Fies, que foi lançado no final do ano passado. Para mais informações, os interessados devem acessar o site do Fies: fiesselecao.mec.gov.br. Vale lembrar que o endereço não tem cedilha, nem acento. 


Veja também:


24/05/2018 | 08h49min

» Meio Ambiente/Obras: Cidade Ativa continua executando limpeza nos bairros; acompanhe o cronograma

23/05/2018 | 19h12min

» : Greve afeta supermercados e ameaça produção de veículos

23/05/2018 | 18h58min

» Economia: Governo pede trégua, mas reunião com caminhoneiros termina sem acordo


Comentários:


Voltar ao topo