No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!     

» Geral » Meio Ambiente


03/02/2018 | 14h15min

Fevereiro inicia com sete pontos impróprios para banho no Rio Grande do Sul

Balneário de Ernesto Alves, em Santiago, está em condições de banho

Foto: Arquivo Palácio Piratini/DivulgaçãoFoto: Arquivo Palácio Piratini/Divulgação

O oitavo relatório de balneabilidade da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) apontou sete praias impróprias no Rio Grande do Sul.

 

Na comparação com a semana passada, subiu de seis para sete o número de pontos sem condições de banho. De acordo com o boletim, o Balneário Nova Palma, em Nova Palma; a Lagoa do Peixoto, em Osório; a Praia das Areias Brancas, em Rosário do Sul; e o Balneário de Mata, em Mata; passaram a integrar a lista de locais impróprios. 



Seguem sem condições de banho a Praia Recanto das Mulatas, em Barra do Ribeiro; a Praia Carlos Larger, em Candelária; e o Balneário Rainha do Sol, em Manoel Viana. Conforme o relatório o relatório, tornaram-se balneáveis a Praia de Passo Real, em Dom Pedrito; o Balneário Rebelo, em Tapes; e o Balneário Distrito de Ernesto Alves, em Santiago. 



Todos os pontos impróprios estão localizados em águas interiores. Neste verão, a Fepam está monitorando 79 balneários de 40 municípios do Litoral Norte, Médio e Sul e das Regiões Hidrográficas do Guaíba e do Uruguai. O Projeto Balneabilidade 2017/2018 terá duração de 12 semanas. Os resultados das análises da qualidade da água serão divulgados nas sextas-feiras, de 15 de dezembro de 2017 a 02 de março de 2018. As coletas e análises são feitas pela Fepam e pela Corsan.


Veja também:


22/02/2018 | 15h40min

» Economia: Santiago entre os municípios gaúchos que cresceram no conceito do Ministério do Turismo

22/02/2018 | 15h10min

» Segurança: RS: concurso para delegado tem 100 vagas e salário de mais de R$ 20 mil

22/02/2018 | 10h34min

» Política: Presidente da Assembleia RS aconselha, "Não anule seu voto, é um grande erro"; ouça a entrevista


Comentários:


Voltar ao topo