No ar:
Caseriando - Marco Antônio Nunes    12h00min às 14h00min

Ouvir!     Fale com o locutor

» Geral » Economia


18/06/2017 | 20h41min

Fazenda divulga prévia do rateio do ICMS para 2018

IPM indica como o Estado irá repartir cerca de R$ 8,33 bilhões, ao longo do próximo ano, entre as 497 prefeituras gaúchas

Foto: Leandro Osório/Especial Palácio Piratini/DivulgaçãoFoto: Leandro Osório/Especial Palácio Piratini/Divulgação

Os índices provisórios de participação de cada município no ICMS a ser arrecadado em 2018 podem ser conferidos na edição desta segunda-feira, 19, do Diário Oficial do Estado (DOE). Apurado pela Secretaria da Fazenda com base no desempenho médio da economia local entre os anos de 2015 e 2016, o IPM Provisório (Índice de Participação dos Municípios) indica como o Estado irá repartir cerca de R$ 8,33 bilhões, ao longo do próximo ano, entre as 497 prefeituras gaúchas.



O volume corresponde a 25% sobre a receita de ICMS, que tem uma projeção de arrecadação de R$ 33,34 bilhões, em 2018, conforme previsto no projeto da LOA (Lei de Diretrizes Orçamentárias). A portaria com o IPM provisório foi assinada pelo secretário da Fazenda, Giovani Feltes, na última sexta-feira (16).



Pelo segundo ano consecutivo, a publicação do índice provisório ocorre ainda dentro do mês de junho, respeitando os prazos determinados pela lei complementar nº 63/90.

 

Conforme o subsecretário da Receita Estadual, Mário Luís Wunderlich dos Santos, a medida auxilia as prefeituras na elaboração das suas peças orçamentárias. A partir da publicação do IPM Provisório, inicia o prazo para eventuais questionamentos dos municípios para posterior confirmação dos percentuais definitivos.


Veja também:


24/06/2017 | 19h57min

» Educação: "Recriança" vai trabalhar exercícios físicos e jogos antigos com alunos dos 6 aos 12

24/06/2017 | 19h53min

» Solidariedade: Sesc distribui uma tonelada de alimentos para entidades sociais de Santiago

24/06/2017 | 19h49min

» Educação: Prazo da Base Nacional para alfabetização de crianças pode ser revisto pelo CNE


Comentários:


Voltar ao topo