No ar:
Santiago Rural - Paulo Pinheiro    05h00min às 05h30min

Ouvir!     

» Geral » Economia


02/06/2018 | 08h02min

Em Santiago, Comércio manteve variação absoluta positiva de 293 empregos

Construção Civil apresenta queda; de fevereiro a abril de 2018 empregou 49 e demitiu 71 pessoas

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

Após melhoras em 2017, a taxa de desocupação voltou a crescer no trimestre de fevereiro a abril de 2018, chegando a 12,9%. Os dados constam na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (Pnad), divulgada nesta terça-feira (29) pelo IBGE.  O resultado foi puxado pelo corte de vagas no Comércio, que teve diminuição de 439 mil pessoas (-2,5%) na população ocupada em relação ao trimestre encerrado em janeiro.

 

A Pnad aponta ainda que a população ocupada teve redução de 969 mil pessoas (-1,1%) na comparação com o trimestre encerrado em janeiro, sendo a queda mais expressiva entre os empregados com carteira assinada, com a saída de 567 mil trabalhadores (-1,7%) do grupo.

 

O quadro negativo acarretou um aumento na taxa de desocupação, que foi de 12,2% entre novembro e janeiro, para 12,9% no trimestre fechado em abril.

 

Em Santiago, o Comércio manteve variação absoluta positiva de 293 empregos, admitindo  973 pessoas e demitindo  680, segundo o Caged. Continua liderando a empregabilidade, junto com o setor Agropecuário que teve variação absoluta positiva no período de 157 empregos.

 

Queda nos setores de Serviço com variação negativa de menos seis vagas e na Construção Civil com variação absoluta negativa de 22. De fevereiro a abril de 2018, a Construção Civil empregou 49 e demitiu 71 pessoas.


Veja também:


17/10/2018 | 15h11min

» Segurança: Descarga elétrica deixa militares da 11ª Ciacom de Santiago, feridos

17/10/2018 | 15h04min

» Região: Jaguari é a primeira cidade da região a receber família de venezuelanos

17/10/2018 | 13h32min

» Trânsito: "Irresponsável e inconsequente", diz prefeito de Santiago sobre motoristas que abusam da velocidade vias urbanas da cidade


Comentários:


Voltar ao topo