No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!     

» Geral » Economia


02/10/2017 | 16h36min

Contribuintes ainda podem renegociar suas dívidas com o município; quatro mil atenderam ao chamado

Para o contribuinte que tiver débito em aberto e já tenha recebido a notificação, a Secretaria da Fazenda vai iniciar o protesto da dívida

Prefeitura de Santiago. Foto: Ieda BeltrãoPrefeitura de Santiago. Foto: Ieda Beltrão

Dos sete mil contribuintes notificados, aproximadamente quatro mil compareceram na prefeitura para discutir seus débitos e aproveitar o desconto de 80% em multas e juros, cujo prazo terminou no dia 29 de setembro.

 

 De acordo com a  titular da secretaria municipal da Fazenda, Cristiane Wesz Gonçalves, a arrecadação ficou em R$ 550 mil. Informou que muitos contribuintes não tiveram condições de pagar à vista, mas acabaram parcelando o débito.

 

Para o contribuinte que tiver débito em aberto e já tenha recebido a notificação, a secretaria da Fazenda vai iniciar o protesto da dívida.  No entanto, segundo Cristiane, o munícipe poderá continuar procurando a prefeitura para negociar, mas sem o desconto do juro e  a multa, oferecido pelo Executivo.

 

Conforme a secretária, alguns valores elevados são de empresas, muitas já desativadas. No caso de pessoa física, o maior valor fica em cerca de R$ 30 mil.

 

 Alguns munícipes que se tornaram adimplentes pagaram até R$ 14 mil, com o desconto, e  se convenceram de que não vale a pena atrasar o pagamento de impostos.

 

  A judicialização da dívida vai implicar em mais custos para quem continua inadimplente com o tesouro municipal.

 

  

 


Veja também:


16/07/2018 | 20h54min

» Meio Ambiente: Meio Ambiente de Santiago vai desenvolver programa de compostagem na escola

16/07/2018 | 15h38min

» Serviço: Prefeitura de Santiago terá turno único; principal objetivo é a economia

16/07/2018 | 10h08min

» Economia: Brasil fecha primeiro semestre com 63,6 milhões de consumidores inadimplentes, estimam SPC Brasil e CNDL


Comentários:


Voltar ao topo