No ar:
Pátria e Querência - Marco Antônio Nunes e Marcelo Peronio Ramos    16h00min às 17h00min

Ouvir!     

» Geral » Administração


25/07/2018 | 12h47min

Carta de Santiago é o ponto de partida para planos de ação

O trabalho iniciou em março de 2018 com reuniões, visitas e discussão dos temas prioritários

Desenvolvimento planejado. Foto: Ieda BeltrãoDesenvolvimento planejado. Foto: Ieda Beltrão

A Carta de Santiago é o ponto de partida para planos de ação que deverão ser discutidos localmente para projetar as cidades e regiões no horizonte do ano de 2048.

 

O trabalho iniciou em março de 2018 com reuniões, visitas e discussão dos temas prioritários. Estes debates vinculados as redes CIRES e URBENERE, traduziram de modo propositivo o Evento “Cidades Em Transformação – 2° Edição”, realizada nos dias 19 e 20 de julho de 2018, na URI- Santiago.

 

Constitui uma síntese do que foi discutido nas reuniões preparatórias e, posteriormente, nas conferências e discussões havidas no transcurso do evento em que estiveram presentes professores, pesquisadores, representantes de órgãos públicos estaduais, municipais e entidades privadas, bem como convidados de outros estados do Brasil e do exterior.

 

São diretrizes a serem trabalhadas:  Sustentabilidade e Planejamento Urbano;  Gestão de resíduos e saneamento;  Turismo e fortalecimento regional e   Espaços público- uso e apropriação comunitária, de acordo com os eixos previstos em cada diretriz.

 

Conforme o presidente da Agência de Desenvolvimento de Santiago, Ricardo Damian, o coordenador José Atílio Bedin Tamiosso e secretário de Desenvolvimento Econômico, Sadi Gioda, para dar seguimento às diretrizes estabelecidas recomenda-se:

 

Identificar os possíveis agentes e instrumentos necessários para a implementação de ações orientadas pelas diretrizes estabelecidas;

Elaborar Plano de Ação com o estabelecimento de Metas e prazos para a realização das ações;

Estabelecer metodologia utilizando indicadores que possam medir a evolução e resultados das ações implementadas a curto, médio e longo prazo;

Formar uma comissão representativa, envolvendo os principais atores responsáveis pelas políticas públicas, visando estabelecer um processo de acompanhamento e assessoramento das ações.


Veja também:


19/09/2018 | 15h02min

» Meio Ambiente: Secretaria de Meio ambiente faz recolhimento de lixo eletrônico no interior, nesta segunda

19/09/2018 | 11h01min

» Tradicionalismo: 17 entidades entram na avenida Júlio de Castilhos deste 20 de Setembro

19/09/2018 | 09h49min

» Meio Ambiente: Rio começa a multar comerciantes por uso de canudo de plástico


Comentários:


Voltar ao topo