No ar:
Pátria e Querência - Paulo Pinheiro    15h30min às 17h00min

Ouvir!      Fale com o locutor/mural

» Geral » Política


18/05/2017 | 16h34min

"Brasil não pode parar", dizem Padilha e Moreira Franco em redes sociais

O ministro lembrou os dados positivos da economia, divulgados recentemente

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, divulgou na madrugada de quinta, 18, um vídeo no qual diz que o país está avançando e não pode parar em função de denúncias feitas por meio de delação premiada. "Nós do governo temos de governar. O Brasil e os brasileiros não querem e não vão parar. O Brasil não vai parar”, disse o ministro.

 

O ministro lembrou os dados positivos da economia, divulgados recentemente. “Essa semana, a cada dia tínhamos uma manchete altamente positiva para o Brasil: era o PIB que crescia, o juro que caía, a inflação que caía, a geração de emprego", disse Padilha, que completou: “Surge no entanto mais uma delação premiada e essa delação traz fatos que têm sim de ser investigados e explicados. Mas não se tem ninguém condenado antecipadamente. Temos de ver o que efetivamente foi dito. O Poder Judiciário se encarrega das delações”.

 

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, também divulgou mensagem na madrugada de hoje por meio de sua conta no Twitter na qual pede que o país tenha “muita serenidade” e que faça um “esforço de se manter unido”. “É fundamental que tenhamos muita serenidade e que façamos esforço de nos manter unido com um único objetivo: o Brasil não pode parar, e para que possamos retomar o crescimento e a geração de emprego e de renda”, disse Moreira Franco após comentar que o país foi surpreendido com as delações de ontem (17).

 

EBC


Veja também:


22/11/2017 | 09h49min

» Cidadania: Novo modelo de certidão de nascimento permite inclusão de nome de padrasto

22/11/2017 | 09h40min

» Economia: Preço das hortaliças aumenta em outubro; frutas ficam mais baratas

22/11/2017 | 09h34min

» Loteria: Acumulada, Mega-Sena pode pagar 50 milhões nesta quarta-feira


Comentários:


Voltar ao topo