No ar:
Buenas Tarde meu Santiago (1º parte) - Marco Antônio Nunes    17h00min às 18h00min

Ouvir!     

» Geral » Saúde


02/11/2017 | 13h29min

Bebidas açucaradas podem sofrer aumento nos impostos

Anualmente, o país gasta cerca de R$ 3,6 bilhões somente no tratamento do SUS às doenças ligadas à obesidade e tratamentos dentários

Proposta prevê aumento de 20% no preço de bebidas com açúcar. Foto: DivulgaçãoProposta prevê aumento de 20% no preço de bebidas com açúcar. Foto: Divulgação

Reduzir os males causados pelo consumo excessivo de açúcar é uma das principais recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para ter uma vida saudável. Partindo deste preceito, o governo quer aumentar as taxas de imposto sobre os refrigerantes e bebidas açucaradas encontradas no mercado brasileiro.

 

Ainda segundo a OMS, 40% das crianças com menos de cinco anos consomem refrigerante com frequência e mais da metade dos brasileiros está com excesso de peso. O aumento em 20% dos impostos das bebidas açucaradas pode diminuir o consumo e contribuir para a melhora na qualidade e expectativa de vida da população.

 

São muitos os males causados por estes produtos, que além do açúcar, inclui outras substâncias prejudiciais a saúde, como explica o Clayton Camargos Júnior, nutricionista pós-graduado pela Escola Nacional de Saúde Pública - Fiocruz.

 

“As variações Cola, por exemplo, vem com uma grande quantidade de fosfatos que, em excesso, provocam o enfraquecimento dos ossos através da liberação do cálcio. Dessa forma, acabam aumentando a incidência de doenças como a osteoporose, peso, sobrepeso e obesidade. Sem falar nas cáries, principalmente nas crianças.”

 

Esta semana, o tema foi discutido na Câmara, por meio de audiência pública das Comissões do Esporte e de Seguridade Social e Família, colegiado ligado à saúde. O autor do Projeto, deputado Sergio Vidigal do PDT, comenta.

 

“Criar uma CID (Classificação Internacional sobre Doenças) sobre essas bebidas, não preocupado simplesmente em aumentar a receita. Mas entendemos da necessidade de reduzir o consumo dessas bebidas e, os recursos utilizados, para a saúde publica e para atividades esportivas e para campanha de conscientização.”

 

Os modelos de cobrança estão em discussão. Há ainda reclamação das pequenas empresas, devido ao formato de comercio atual que facilita a cobrança de tributos e a produção das grandes empresas. Anualmente, o país gasta cerca de R$ 3,6 bilhões somente no tratamento do SUS às doenças ligadas à obesidade e tratamentos dentários.


Veja também:


13/12/2018 | 16h57min

» Agricultura: Situação das culturas em Santiago foi atualizada

13/12/2018 | 16h25min

» Educação: Atendimento da URI nas férias

13/12/2018 | 09h49min

» : Em Santiago, Polícia Civil cumpre dois mandados de prisão nesta quarta-feira


Comentários:


Voltar ao topo