No ar:

Ouvir!      Fale com o locutor/mural

» Geral » Religião


29/10/2017 | 13h33min

Beatificação do padre João Schiavo atrai milhares de fiéis em Caxias do Sul

Milhares de fiéis vindos de várias cidades gaúchas, de outros estados e até do exterior acompanharam a cerimônia presidida pelo representante do Papa Francisco

Culto contou com milhares de fiéis do RS, de outros estados e do exterior. Luiz Chaves/Palácio PiratiniCulto contou com milhares de fiéis do RS, de outros estados e do exterior. Luiz Chaves/Palácio Piratini

Emoção e religiosidade marcaram a Santa Missa e o Rito de Beatificação do padre João Schiavo em Caxias do Sul, na manhã deste sábado (28). Milhares de fiéis vindos de várias cidades gaúchas, de outros estados e até do exterior acompanharam a cerimônia presidida pelo representante do Papa Francisco, o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Amato. O culto que declarou o padre beato aconteceu nos Pavilhões da Festa da Uva.

 

O evento religioso foi organizado pela Diocese de Caxias do Sul, Congregação dos Josefinos de Murialdo e a Congregação das Irmãs Murialdinas de São José, junto com a Associação do padre João Schiavo. O rito de beatificação teve início com o bispo diocesano de Caxias do Sul, Dom Alessandro Ruffinoni, em nome de todos os bispos presentes, pedindo ao cardeal que Schiavo fosse inscrito como beato, e seguiu-se com uma apresentação do religioso.

 

O auge da celebração foi a leitura da Carta Apostólica em latim pelo Cardeal Amato, assinada pelo Papa Francisco, proclamando padre João Schiavo Bem-Aventurado. Depois houve o descerramento da imagem que retrata o novo beato, ao som do hino de louvor. O rito se encerrou com a procissão da Relíquia do Beato, exposta no altar onde foi incensada e venerada. A cerimônia contou com exibição da Orquestra da Universidade de Caxias do Sul e do Coral de Beatificação.

 

"Além da religiosidade e da espiritualidade, independente da crença de cada um, esse é um momento muito importante para Fazenda Souza, para Caxias do Sul, para o Estado e para o Brasil. Momento de agradecimento, de gratidão, mas acima de tudo de saber que padre João Schiavo foi um formador, um educador dedicado às causas sociais", ressaltou o governador José Ivo Sartori.

 

Para o bispo de Caxias do Sul, Dom Alessandro Ruffinoni, é uma honra que Schiavo tenha trabalhado para a Diocese, ato que estimula, principalmente nos padres, o espírito de doação ao povo. "Ele atuou muito na educação dos pobres, principalmente crianças e adolescentes. Para nós, sua presença aqui é exemplo de sacerdote paciente, educador e que sabe acolher as pessoas", afirmou.

 

Grupos de várias cidades e países assistiram a cerimônia. Segundo os organizadores da Argentina e do Chile, onde há a presença dos Josefinos e Murialdinas, são cerca de 160 pessoas, 34 devotos do Equador e da Itália, mais um grupo de 31 pessoas, incluindo nove parentes do padre. Além da multidão de fiéis, contabilizam-se 180 sacerdotes, entre padres, bispos e arcebispos.

 

O milagre

 

A beatificação do padre João Schiavo ocorre após a Igreja reconhecer um milagre de outubro de 1997. O morador de Caxias do Sul, Juvelino Carra, foi desacreditado pelos médicos após uma trombose intestinal aguda. A esposa de Juvelino, ao saber que a cura seria impossível, fez orações ao padre João Schiavo para que o marido melhorasse. O paciente que estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) começou a apresentar melhoras e, em sete dias, teve alta hospitalar sem apresentar problemas ou sequelas.

 

Biografia

 

João Schiavo nasceu no dia 8 de julho de 1903 na Itália, em Sant'Urbano de Montecchio Maggiore. Em 10 de julho de 1927, com 24 anos, foi ordenado sacerdote da Congregação dos Josefinos de Murialdo. Chegou ao Brasil em 1931, marcando sua vida de fé e religiosidade na cidade de Caxias do Sul.

 

Ao longo de sua vida, desenvolveu intensa atividade vocacional e foi o primeiro mestre de noviços da missão Josefina no Brasil. Foi o idealizador e fundador do Seminário Josefino de Fazenda Souza, no interior caxiense, e criador da Escola Normal Rural Murialdo de Ana Rech, em parceria com o Estado.

 

Com sua devoção, foi educador e fez inúmeras obras que beneficiaram a comunidade da Serra gaúcha. Ele faleceu no dia 27 de janeiro de 1967, já com fama de santo. Desde então, sua sepultura, atualmente no interior de uma capela que leva o seu nome, em Fazenda Souza, é local de orações e peregrinações.

 

Beatos e santos do Brasil

 

No Rio Grande do Sul são beatos: padre Manuel Gomes Gonzales e coroinha Adílio Daronch (2007), Bárbara Maix (2010). E santos: São Roque Gonzales, Santo Afonso Rodrigues e São João de Castilhos (1988).

Com a beatificação do padre João Schiavo, o Brasil alcança o número de 52 beatos e 36 santos. O país tem ainda 12 veneráveis aguardando aprovação de um milagre para se tornarem beatos.


Veja também:


23/11/2017 | 16h37min

» Moda: Coque com lenço é a nova onda do verão

23/11/2017 | 16h10min

» Solidariedade: Apae de Santiago vai promover o Dia do Doar

23/11/2017 | 15h56min

» Agenda: "Partiu Ernesto Alves" neste domingo


Comentários:


Voltar ao topo