No ar:
Jornal falado - Jones Diniz e Paulo Pinheiro    12h15min às 12h50min

Ouvir!     

» Geral » Diagnóstico


09/07/2017 | 19h37min

Autoteste de HIV estará disponível nacionalmente até o fim de julho em farmácias

O Brasil é o primeiro país da América Latina e Caribe a disponibilizar o autoteste em farmácias

Embalagem do autoteste para detecção rápida do vírus HIV vendido em farmácias. Foto: Tomaz Silva/Agência BrasilEmbalagem do autoteste para detecção rápida do vírus HIV vendido em farmácias. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O autoteste para detectar a presença do vírus HIV no organismo deve estar disponível em farmácias de todo o país até o fim do mês. Nesta semana, o primeiro teste desse tipo a ser vendido no Brasil começou a chegar às farmácias do Rio de Janeiro. O produto, que custa entre R$ 60 e R$ 70, pode ser comprado semreceita médica, e a testagem produz resultado 10 minutos após o sangue entrar em contato com o reagente.

 

O Brasil é o primeiro país da América Latina e Caribe a disponibilizar o autoteste em farmácias. Para a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, o produto é uma ferramenta importante para aumentar a capacidade de diagnóstico do vírus. Identificar a presença do HIV em 90% das pessoas infectadas é uma das metas da Organização das Nações Unidas (ONU) para 2020.

 

"Advogamos tanto com relação ao autoteste porque acreditamos que ele amplia e muito a cobertura diagnóstica. Têm pessoas que não querem ir à unidade de saúde para fazer o teste do HIV", pondera ela, que alerta que o resultado positivo no autoteste não é um diagnóstico. Para tal, é preciso confirmação de outros exames e acompanhamento de profissionais de saúde. "O teste da farmácia não é confirmatório. Com o autoteste positivo, deve-se buscar imediatamente a unidade de saúde para fazer novos testes confirmatórios", explica.

 

Segundo a diretora, o produto não será comprado pelo ministério para ser disponibilizado em unidades de saúde por causa do seu preço. "Sob o ponto de vista financeiro, ele está muito caro para adotarmos. Hoje, o Ministério da Saúde adquire o teste rápido por R$ 2. Nesse momento, achamos que o mais vantajoso é continuar comprando o teste rápido que já compramos e distribuímos".

 

EBC


Veja também:


21/02/2018 | 11h18min

» Oportunidade: Tem vaga de cozinheira no Sine de Santiago

21/02/2018 | 10h21min

» Economia: Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil

21/02/2018 | 08h58min

» Segurança: Santiago, São Borja e Itaqui tiveram a maior apreensão de drogas; 21ª DPRI/Santiago divulga dados estatísticos de 2017


Comentários:


Voltar ao topo